Sábado, 13 de Julho de 2013

QUE NÃO ARDAM AS PÉROLAS

 

Vora V. M.                                                                                                                                                             Gilee Barton

 

Das pérolas não prescindo mesmo se adormecidas na caixa dos ‘adereços de vez em quando’. Vestem a pele nua que mais não precisa do que a fiada. Rematam sedas, algodões ou lãs. Dão brilho ao dia que começa e à noite festa dos sentidos. Se herdadas, ocultam fragmentos de vidas mortas, talvez dores, talvez felicidades, precárias umas e outras. Compõem fiadas mesmas ou outras guardadas na caixa da memória onde alegram rostos de mulheres desbotados pelo tempo. Mães, depois avós, bisavós, tias com úteros secos, corações amplos cujas fronteiras desdiziam dos corpos frágeis.

 

Na hora da sesta, a menina escapulia-se e entrava no quarto dos tesouros. Mimava o visto fazer, escondia os caracóis em écharpes, rolava nas mãos as pérolas, enfeitava dedos e pescoço, crescia nos saltos arrastados até ao espelho onde mirava o resultado. Numa tarde de horas mansas em que encenava a mulher futura, o sol mirrou num repente. Espreitou a montanha em frente. Nada, salvo o negro poisando nas oliveiras. Deslizou no telhado das traseiras, do muro para o jardim pendurada no ramo baixo da nogueira que às águas-furtadas disputava céu. E viu. Ardiam giestas e pinheiros plantados no chão que o granito entremeava. O horizonte de verdes era fogo. O rebate dos sinos acordou a casa. Consternação, horror, medo - quem garante que o pasto seco não conduz aqui as chamas? Enquanto a família organizava a prevenção, a tia Lucinda subiu ao quarto e arrecadou as pérolas no bolso do vestido com flores miúdas. Da tragédia, a menina fez lembrança triste. A mulher retém-na. Ouve notícias de fogo posto ou não e de novo sobe o terror.

 

Porque têm de arder as matas da infância, porque não é feita limpeza preventiva, porque razão loucuras perversas delapidam patrimónios de alguns e de todos? Dizem as albufeiras cheias para o estio sério e para este falso. Mas vai ardendo o longe enquanto o fogo não lambe perto. Como outrora, como hoje.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:39
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds