Domingo, 23 de Novembro de 2014

VALTER HUGO MÃE ESTRELA NA LITERATURA E NO "VÁVÁDIANDO"

DSC00009.jpg

 

PB200066.JPG

 

PB200067.JPG

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

P1180016.jpg

P1010012x.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PB200062 A.jpg

PB200059A.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PB200060 A.jpg

PB200063 A.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

P1180018.jpg

PB200068.JPG

PB200069.JPG

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

P1010016x.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foi um “VáVáDiando” memorável. O convidado Valter Hugo Mãe seduziu a audiência pelo seu pensar na escrita e na vida, pela sua comunicação fluida, genuína, isenta de tiques «intelectualóides». Vivo o diálogo gerado entre ouvintes e o ouvido.

 

 

Dados biográficos

 

 

No ano de 1999, Valter Hugo Mãe, nascido em 1971 em Angola, começou a obter reconhecimento público por via do “Prémio Almeida Garrett”. Em 2007, foi-lhe atribuído o “Prémio Literário José Saramago” que o viria a tornar escritor famoso em Portugal e além-fronteiras. Durante a entrega deste prémio, José Saramago classificou a ficção “o remorso de baltazar Serapião” como um ‘tsunami literário’: _ "Por vezes, tive a sensação de assistir a um novo parto da Língua Portuguesa."

 

 

Valter Hugo Mãe viria a receber outros galardões: “Grande Prémio Portugal Telecom de Literatura Melhor Livro do Ano, São Paulo, 2012” e ainda no mesmo ano o “Grande Prémio Portugal Telecom de Literatura Melhor Romance do Ano, São Paulo”. Imparável e com múltiplos talentos, expôs os seus desenhos na Galeria Símbolo (2007), estreou-se na música como vocalista do grupo “Governo” (2008) no Teatro do Campo Alegre.

 

 

“Os quatro primeiros romances do escritor são conhecidos como a tetralogia das minúsculas. Escritos integralmente sem letras capitais, incluindo o nome do autor, pretendiam chamar a atenção para a natureza oral dos textos e recondução da literatura à liberdade primeira do pensamento. As minúsculas aludem também a uma utopia de igualdade. Uma certa democracia que equiparava as palavras na sua grafia para deixar ao leitor definir o que devia ou não ser acentuado.”

 

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 12:08
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds