Terça-feira, 10 de Junho de 2014

CAMÕES FICA FORA DISTO

Gustavo Fernandes

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:28
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
Sábado, 23 de Fevereiro de 2013

O ELOGIO DA PREGUIÇA

 

 

Gustavo Fernandes – “Ampulheta”

 

Restam poucos que saibam preguiçar. A preguiça foi proscrita dos centros urbanos. Ido o tempo em que havia tempo para escutar as cigarras que teimo em ouvir. Nos dias que correm, inatividade é equivalente a morte social. Sofrer por uma carreira, transpirar no ginásio, almoçar em trabalho, encher a despensa, ver o último filme de que todos falam, ler o que acabou de sair, não ter tempo para amar, conduzir os miúdos ao colégio. Tudo para não esquecermos o mundo. Implacável, o mundo esquece quem somos.

 

Nota: publicado aqui.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 
publicado por Maria Brojo às 12:12
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
Domingo, 8 de Abril de 2012

E É PÁSCOA...

Gustavo Fernandes

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 09:35
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 28 de Novembro de 2011

“LEVA-ME AOS FADOS”

Gustavo Fernandes, Manuela Pinheiro

 

“A decisão da UNESCO foi favorável à candidatura portuguesa e o Fado passou, a partir de ontem, a ser considerado Património Imaterial da Humanidade.” Sinto-me alegre como badalo de igreja ao exultar, oscilando, boas novas.

 

(Url)

  

"Chegaste a horas
Como é costume
Bebe um café
Que eu desabafo o meu queixume
Na minha vida
Nada dá certo
Mais um amor
Que de findar me está tão perto

Leva-me aos fados
Onde eu sossego
As desventuras do amor a que me entrego
Leva-me aos fados
Que eu vou perder-me
Nas velhas quadras
Que parecem conhecer-me

Dá-me um conselho
Que o teu bom senso
É o aconchego de que há tempos não dispenso
Caí de novo, mas quero erguer-me
Olhar-me ao espelho e tentar reconhecer-me."

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 00:05
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (5) | favorito
Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2011

ARQUIMEDES - RAZÃO E FALHA

Gustavo Fernandes e autor que não foi possível identificar

 

Em espírito genioso e criatividade somos bons. Tão bons que arrojámos dum condado fazer reino e, muito após, país, antes esventrar mares em naus que nada sabiam sobre segurança da tripulação e se limitavam a obedecer ao Princípio de Arquimedes, a estrelas/bússolas e a informações colhidas dos ventos. Hoje vamos mais longe, conquanto agarrados a chão sólido (nunca o foi, mas perdoado seja o execesso).

 

Ora, em duas assentadas, prémios em batel cheio elevam a auto-estima de quem deles soube e é português. Trindade de projectos de arquitectos nossos, lograram vencer competição que os sites Archdaily  e CoolHunter promoveram. Este último atribuiu o prémio de arquitectura institucional à sede da Vodafone no Porto. Pedro Guimarães e José António Barbosa, inspirados no slogan A Vida em Movimento da empresa de telecomunicações, desenharam "um dos vinte edifícios de escritórios do mundo mais surpreendentes". Do Archdaily arrecadámos ainda mais dois prémios nas categorias Hotéis e Restauração e Interiores. Nesta, apartamento com 44 metros quadrados aloja três divisões, soma inteligência a arrumo, mobilidade dos espaços, peças de design e bom gosto extremo. Custo: entre os 35 e os 40 mil euros.  

 

O jornal i engordou a vogal por mais um reconhecimento exterior – melhor jornal nacional diário, segundo o European Newspaper Award que Norbert Küpper criou ao concluir que “o embrulho é tão importante como o conteúdo”. O i arrasou os concorrentes em praticamente todas as áreas: “fotografia, paginação, artigos jornalísticos em formatos alternativos e secções inovadoras.” Lido em fonte que não registei: "o i também foi vencedor na edição deste ano dos prémios ÑH, O Melhor Design Editorial Espanha & Portugal, o melhor na categoria dos jornais com 20 mil a 60 mil exemplares e o ionline foi finalista na categoria dos sites com menos de 12 milhões de exibições de página por mês. Nas várias categorias a que concorreu, o i somou 31 prémios.”

 

Constatada oficialmente a lusa recessão, ou inovamos e exportamos, ou falha Arquimedes e esta quase jangada de granito e calcário vai a pique até fundos inauditos.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:02
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (30) | favorito
Sábado, 22 de Maio de 2010

DE FORA PARA DENTRO

Gustavo Fernandes

 

“Deixemos de lado miserabilismos e concentremo-nos nas coisas boas, não como escape mas como realidade. Vivi em Portugal há quinze anos. Agora, de volta, sugiro dez factos, entre muitos, que melhoraram em Portugal desde a minha primeira estadia. Não incluo o bom que era e ainda é fantástico (desde a forma como acolhem os estrangeiros até à pastelaria).

 

- Mortalidade nas estradas; as estatísticas não mentem _ o número de pessoas que morre em acidentes rodoviários é muito menor, cerca de 2000 em 1993 e de 776 em 2009. A experiência de conduzir na Marginal é agora prazer, não um terror.  O tempo do Fiat Uno a 180km/h colado a nós nas auto-estradas está a passar.

 

- O vinho; já era bom, mas a variedade e a inovação são notáveis, com muito mais oferta e experiências agradáveis. O mesmo sobre o azeite e outros produtos tradicionais.

 

- O mar; Lisboa, em 1994, era uma cidade virada de costas para o mar; poucos restaurantes ou bares com vista, e pouca gente no mar. Hoje, vemos esplanadas e surfistas em toda a parte. Muita gente a aproveitar melhor um dos recursos naturais mais importantes do país.

 

- A zona da Expo: era horrível em 1994, cheia de poluição, com as antigas instalações petrolíferas. Agora é uma zona urbana belíssima, com museus e um Oceanário entre os melhores que há no Mundo.

 

- A saúde: a qualidade do tratamento é muito melhor hoje em dia, apesar das dificuldades financeiras, etc. A prova está no aumento da esperança de vida, de cerca de 74 em 1993 para 78 anos em 2009.

 

- Os parques naturais; viajei muito este ano do Gerês a Monserrate; tudo mais limpo, melhor sinalizado, mais agradável. O pequeno jardim está, de facto, mais bem cuidado.

 

- O cheiro. Sendo por natureza liberal nos costumes sociais, não fui grande fã da proibição de fumar, mas, confesso, a experiência de estar num bar ou num restaurante em Portugal é hoje mais agradável com a ausência de tabagismo. E a minha roupa cheira menos mal no dia seguinte.

 

- A inovação; talvez seja fruto da minha ignorância do país em 1994, mas fico de boca aberta quando visito algumas das empresas que estão a investir no Reino Unido; altíssima tecnologia, quadros dinâmicos e _ o mais importante _ sem medo.  Acreditam que estão entre os melhores do mundo, e vão ao meu país, entre outros, para prová-lo.

 

- O metro de Lisboa.  É limpo, rápido, acessível e tem estações bonitas.

 

- As cores; Portugal tem e sempre teve cores naturais bonitas. Mas a minha memória de 1994 era o aspecto visual bastante cinzento das cidades, desde a roupa até aos carros. Hoje há mais alegria - recordo um português que me disse, talvez com tristeza, que o país estava a tornar-se mais tropical. Em termos de imagem, parece-me um elogio!”

 

Alexander Ellis, Embaixador Britânico

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:41
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (1) | favorito
Recomendo:

Exposição de Artes Plásticas - Conceito

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

últ. comentários

Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(
Curta as férias querida...Beijos
ABANDONODAVID MOURÃO FERREIRAPor teu livre pensame...
Ainda?Isso aí no Inverno é gelado ;-)

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds