Segunda-feira, 28 de Dezembro de 2009

VENDA NOS OLHOS, ESPADA NA MÃO

 

Walter Girotto

 

Na mistura actual, constam fugas de informação talhadas a bisturi, pressões exercidas sobres juízes da Procuradoria Geral da Républica, Eurojust à mistura. Fado, fatum? Ao completar cinco anos o processo “Casa Pia”, o mais caro e longo de sempre na Justiça que nos (des)regula, não resisto em transcrever o que bem li.

 

"Hugo Marçal está em vias de ser admitido a frequentar o curso de auditor de justiça do Centro de Estudos Judiciários. O nome do arguido no processo de pedofilia da Casa Pia vem publicado no Diário da República, entre centenas de candidatos a frequentar a escola que forma os juízes portugueses. Todavia, ao contrário dos outros, não prestará provas. Pelo facto de ser doutor em Direito - grau académico obtido em Espanha – está, por lei, «isento da fase escrita e oral» e tem «preferência sobre os restantes candidatos». Resultado: o advogado de Elvas está à beira de ser seleccionado para o curso que formará a próxima geração de magistrados!

 

O nome de Hugo Manuel S. Marçal surge na página 4961 do Diário da República - 2.ª série, com o número 802, na lista de candidatos a ingressar no CEJ. Se concluir o curso com aproveitamento e iniciar carreira nos tribunais - primeiro como auditor de justiça, depois como juiz de direito -, Marçal terá o privilégio de não ser julgado num tribunal de primeira instância."
 

Reflexão outra*:

_ “O justicialismo está para a administração da justiça, tal como a politiqueirice está para a actividade política, ou o pretenso moralismo para os fariseus. A medida está naquilo que nos falta: uma moral social, comunitariamente assumida pela autonomia da sociedade civil e pelos seus filhos mais queridos, a liberdade de expressão e a liberdade de pensamento.

 

A medida ou o padrão da torta vida que temos é a régua (de "regula", isto é, de "régua"), tal como norma vem de esquadro, e tal como a ideia que nos deve reger é a recta que traçamos numa folha em branco e que se aproxima do paradigma de recta que todos devemos trazer dentro de nós. Até o "ius", o latino "direito", veio da expressão "ius de rectum", porque ele normalmente fica torto, quando os pratos da balança se desequilibram pelas desigualdades que a vida traz, ao gritarmos «isto é meu».

 

Direito de "de rectum" é o que põe direito o "ius" torto pelos interesses da luta pela vida e da luta pelo poder, onde quem mais tem poderes mais faz pender para o seu lado o prato, o "lanx", da "bi lancia". E a deusa que a sustenta, com espadalhão maior e mais potente, ao colocar a venda nos olhos continua a ser a única que a endireita. Juiz é aquele que escreve direito por tantas linhas tortas...”

 

* "Sobre o Tempo que Passa" em 11-11-09

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 07:58
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (2) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds