Sábado, 3 de Dezembro de 2011

“TUSSISQUE” SEM “SAPIENTIA”

Douglas Hofman, autor que não foi possível identificar

 

Amor tussisque non celantur - O amor é como a tosse: impossível ocultar.

«Era» deveria ser o tempo verbal. Como os espirros, não fossem as castradoras normas sociais. Ou o nariz a pingar, que o tempo vai mais para isso do que para romantizar enlevos. À conta de me aventurar em namoro nocturno com ignoto jardim da capital, de uma penada, ganhei pacote inteiro. Simulei o «cantando à chuva» que caía - adocei o passo, arredondei gestos, fiz dos braços asas, e, com as mãos semi-fechadas numa concha afilada pelos dedos, simulei ave lépida. Da insanidade que não curo, ficou o amor pelo jardim, mas acresci tosse e constipação.

Sapientia longe preestat divitiis - Acaba-se o haver, fica o saber.

Lembraram-me, com erudição humorada, que no funeral de Beaudelaire, presentes trinta pessoas, no de Willy, dezanove e no do Oscar Wilde, sete. A mulher que sempre afirmou não desejar complicações – um pijama usado serve para embrulho, bem como qualquer pedacito de terra (não ocupa muito espaço) - deu por ela num delírio ao cogitar qual o tipo de ofício fúnebre que iria bem com o respectivo passamento.

 

Importante seria «maquilhadora» com mínimo de jeito para disfarçar o branco arroxeado de cadáver perturbador de familiares e amigos. Garantida a posição horizontal eterna e por decoro, vestido comprido em cetim fúcsia do estimado Nuno Baltazar. Sapatos, ele sabe: _ Nuno vá pensando, por favor! Entre roupa, calçado, maquilhagem, mais o tempo que a querida Guida vai demorar com o cabelo, dois dias de preparos devem chegar. O meu amigo/irmão Fernando ficará com a gestão do fundo musical - jazz, light como a finada, nada de muito estridente que incomode acompanhantes fãs de toadas mais doces. Como o haver já deixei e o reduzido saber levo comigo _ "Não se macem, vão para dentro!"

 

Sendo desejada tertúlia depois de terminada a função, invadam frigoríficos e armários ou tragam coisitas leves para trincar; nada de fritos que deixe a casa empestada. Brindem, salvo com água, não venha a superstição interromper-me o trajecto direito ao Céu. Ou ao Purgatório. O Inferno? _ Aqui d’el rei q'isso não! Esborrata a pintura e queimar cetim é estragação.

 

CAFÉ DA MANHÃ

                                                                                                                                                  Sugestão de Veneno C.

publicado por Maria Brojo às 08:38
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (12) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds