Segunda-feira, 18 de Julho de 2011

RÃS, SAPOS E REALEZAS

Kim Parkhurst, Jennifer Janesko

 

Quando os irmãos Grimm escreveram o Príncipe Sapo, mais não fizeram que dar forma escrita a um dos mitos e ilusões humanos e, de caminho, desmenti-lo.

 

Consta as mulheres sonharem com um belo príncipe devotado e que possua merecimentos capazes de o tornar progenitor exemplar, os homens com princesas diáfanas, lindas, generosas, ternas e lábios de rubi. Um sapo como parceiro(a) está normalmente arredado do imaginário. A fealdade, a estranheza que comporta, não obedece às normas primárias da sedução. E na busca iludida dos príncipes e princesas se frustram expectativas, acontecem desencontros infelizes.  

 

Atentássemos nas rãs e princesas, nos sapos e príncipes que convivem no íntimo de cada um, menor seria, nos afectos, a teia de enganos. Nos dias e destes nas horas, alternam comportamentos individuais em que nos lábios de rubi, na pele macia espreita o batráquio que nos outros merecem condenação. Aceite a dicotomia luz/breu, a passagem de um estado a outro nas gentes, sairia desmentido o mito e melhorados os relacionamentos em geral, românticos em particular. A esta evolução da consciência é costume chamar amadurecimento e crescer harmonioso, sem parança, até ao fim.

 

Existem pessoas certas ou erradas para cada um de nós? _ Não e sim, o que é distinto do «nim». Profunda divergência nos valores contribui para o assentimento na resposta. Havendo alicerces comuns nas estruturas da matriz de cada um dos elementos do casal, as restantes variáveis perdem importância se compensado o momento sapo ou rã do outro com o surgir da princesa e do príncipe por parte de quem com ele partilha a vida. Como numa balança de dois pratos, o importante é o equilíbrio satisfatório na posição média do fiel.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 10:59
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (8) | favorito
Terça-feira, 16 de Fevereiro de 2010

FUMEIRO SEM PENACHOS

Jennifer Janesko


De cabo a lado português não existe canto sem fumeiro exposto. Tanto fumeiro reunido em festa promete azia. Vinhos e queijos acolitam. Olhares cobiçam. Cabeças adquirem e mãos estendem papeis/notas. Recolhidos trocos, adiante que noutra banca mais haverá para comprar. Para empanturrar a viatura. No regresso, cheiro a alheiras de javali e a «serras» contidos por ligaduras de algodão branco. Durante ócio concedido, trocados por bens genuínos fumaças de lenha podre e boatos e boateiros e bocarras e bolsos rotos cozidos à pressa.

 

O Entrudo só o é alimentando ruralidades veras e ginetes com tradição. Ao domingo, cangas nos bovinos literais apenas no último antes da quarta de cinzas. O resto é Carnaval. Pela sexta já aviada, nas escolas, a criançada estreou contentamento vestido com fantasias inocentes. Copiados ícones de ecrã ou antecipadas profissões que a volatilidade dos sonhos desmentirá. Sevilhanas, rainhas, fadas, cowboys perdem clientela em favor de enfermeiras, médicas e bombeiros. Nem um infante escolhe toga «tribunalesca», máscara de político ou de professor. Sinal bom porque ainda protegidos da conflitualidade/banalidade quotidiana. Em tempo de desgraças, conjugam ideiais e protagonistas, heróis do presente. Felicidade fácil e pura, ajuntados euros que os pais exibam, orgulhosos, pela mão. Por cá e até hoje dentro, corre(ra)m dias de rentabilizar o gasto, gastos e desgastados arremedos tropicais.

 

Povo que não ri, nem brinca, nem se cumpre na alegria, esborratou pintura de esperança. Valem os Entrudos mais as «matrafonas»; brilham penachos e lantejoulas, partes das partes distantes, símbolos de calor nos corpos e almas, das cinzas não chegarem com o amanhã. Precários, devolvem a gentes bem-aventuradas pela ilusão o que, por direito, lhes pertence e não pôde, ainda, ser roubado.  

 
CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 10:06
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (10) | favorito
Quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2010

A «DESCOISA» CHAMADA DERBY

 

Jennifer Janesko

 

A «descoisa» clássica chamada derby foi comummente precedida pela chegada dos adeptos encarnados ao verde careca de Alvalade. Pela descrição dos cuidados policiais, parecia estar o Campo Grande e 2ª Circular sujeitas a terrorismo «etista», da Al-Qaeda ou do Hamas.

 

Inocentes condutores, no regresso a casa após dia de estafa, aguentaram em fila (im)paciente a marcha guerrilheira e gritada dos «tifosados» lisboetas. Rivais, são ditos. A «descoisa» tem piada: espicaçam-se mutuamente, insultam-se, olham, unanimemente cobiçosos, as capitosas meninas dos pompons, aliviam testosterona na forma de rugidos. Começado o desafio, a «mole» química vira humana. Primitiva, mas de homo sapiens feita. Berra impropérios contra o Di Maria e outros atrevidos nas balizas.

 

Conquista de bola expulsa contendor. Goooooooooooooolo do Benfica!, David Luís e um a zero. Onze contra dez, como vai sendo hábito. Sporting desaustinado. Os comentadores multiplicam adrenalinas e observações extraordinárias – “peixe num aquário”, uma delas. A multidão espectadora – esperada e não chegada – ulula.

 

Em casa, adeptos do sofá, engasgam a sopa e comandam silêncio à garotada. Adolescentes partilham a vibração do ecrã. Talvez cachecóis poeirentos agitados entre a garfada da janta e o livre de Carlos Martins. Apita ou não o Malquerença («diacho» de nome!)?


Amanhã é outro dia, mas quem dele quer saber quando a Taça da Liga é despique? Atira o relator de serviço;
- “Di Maria endiabrado. Joga para o Mundial.”
Ramirez, goooooooooooooolo! Dois a zero. Liedson, o «levezinho», enfia o terceiro. Goooooooooooooolo! Dois a um.

 

Desliguei o ligado. Como testemunha dou, superstição comezinha, má sorte ao clube preferência. Soando matinas, é conhecido o resultado, «recomentado» e requentado. Engavetado, o cachecol/herança não saiu. Cetim preto debruado a encarnado, sim. Macio, sobre a pele, foi melhor que muitos a um.
 
CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 06:15
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 8 de Julho de 2009

DOIS FUNERAIS E NENHUM CASAMENTO

 

Jennifer Janesko

 

Que saiba, nenhum dos meus amigos tenciona casar. Que saiba, e porque a minha leitura das revistas cor-de-rosa se limita a desfastio no cabeleireiro, notáveis reais ou de faz-de-conta também não contraíram núpcias. Aliás, o entretém de ver bonecos nos pomposos hairstyles é frequentemente impossível _ unhas pintadas de fresco, arrepelões do cabelo deixam-me com disposição canina. Sem paciência para nada além do “tirem-me daqui!”.
 

Ontem, foram a enterrar dois nomes/instituições com prestígio planetário. Sobre o do Michael, depois reduzido a cinzas, não escreverei mais do que isto. Os fãs que vertam lágrimas e se encarreguem de construir o inevitável mito – quem morre cedo e é famoso arrisca-se a perpétuos festins nostálgicos. O último desfile de Christian Lacroix é funeral de uma casa de alta-costura que durante vinte anos enfeitiçou inúmeras mulheres e menos homens _ pagar a factura de entusiasmo caro da parceira não deixa boa memória. 

 

Duas centenas de privilegiados assistiram à apresentação da última colecção. No caso, Outono/Inverno. “Como um esboço, como um desenho prévio da pintura", disse Christian Lacroix. Convite preto e cinza de acordo com o luto pela casa que fenece se nenhum comprador surgir até final de Julho. Manequins desfilaram à borla. As jóias que as enfeitaram foram emprestadas por amiga rica do criador de moda. Dos 125 funcionários, as costureiras há muito não recebem paga.

 

As dificuldades que a Maison Lacroix experimenta devem-se, parcialmente, ao facto do estilista/artista ter recusado transformar a sua obra artesanal numa simples marca produzida nos confins do mundo. Renegou os logotipos impressos, a facilidade duma griffe passível de contrafacção vendida nos outlets e feiras. Quem do sonho não desiste, arrisca o pescoço. Aconteceu. De novo. 

 

Mas Christian Lacroix luta. Incansável, sopra as brasas para que não seja perdida a chama de luxo e glamour da alta costura francesa que assina.

 

CAFÉ DA MANHÃ
 

Four Weddings And A Funeral

publicado por Maria Brojo às 00:03
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(
Curta as férias querida...Beijos
ABANDONODAVID MOURÃO FERREIRAPor teu livre pensame...
Ainda?Isso aí no Inverno é gelado ;-)

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds