Segunda-feira, 18 de Julho de 2011

RÃS, SAPOS E REALEZAS

Kim Parkhurst, Jennifer Janesko

 

Quando os irmãos Grimm escreveram o Príncipe Sapo, mais não fizeram que dar forma escrita a um dos mitos e ilusões humanos e, de caminho, desmenti-lo.

 

Consta as mulheres sonharem com um belo príncipe devotado e que possua merecimentos capazes de o tornar progenitor exemplar, os homens com princesas diáfanas, lindas, generosas, ternas e lábios de rubi. Um sapo como parceiro(a) está normalmente arredado do imaginário. A fealdade, a estranheza que comporta, não obedece às normas primárias da sedução. E na busca iludida dos príncipes e princesas se frustram expectativas, acontecem desencontros infelizes.  

 

Atentássemos nas rãs e princesas, nos sapos e príncipes que convivem no íntimo de cada um, menor seria, nos afectos, a teia de enganos. Nos dias e destes nas horas, alternam comportamentos individuais em que nos lábios de rubi, na pele macia espreita o batráquio que nos outros merecem condenação. Aceite a dicotomia luz/breu, a passagem de um estado a outro nas gentes, sairia desmentido o mito e melhorados os relacionamentos em geral, românticos em particular. A esta evolução da consciência é costume chamar amadurecimento e crescer harmonioso, sem parança, até ao fim.

 

Existem pessoas certas ou erradas para cada um de nós? _ Não e sim, o que é distinto do «nim». Profunda divergência nos valores contribui para o assentimento na resposta. Havendo alicerces comuns nas estruturas da matriz de cada um dos elementos do casal, as restantes variáveis perdem importância se compensado o momento sapo ou rã do outro com o surgir da princesa e do príncipe por parte de quem com ele partilha a vida. Como numa balança de dois pratos, o importante é o equilíbrio satisfatório na posição média do fiel.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 10:59
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (8) | favorito
Terça-feira, 16 de Fevereiro de 2010

FUMEIRO SEM PENACHOS

Jennifer Janesko


De cabo a lado português não existe canto sem fumeiro exposto. Tanto fumeiro reunido em festa promete azia. Vinhos e queijos acolitam. Olhares cobiçam. Cabeças adquirem e mãos estendem papeis/notas. Recolhidos trocos, adiante que noutra banca mais haverá para comprar. Para empanturrar a viatura. No regresso, cheiro a alheiras de javali e a «serras» contidos por ligaduras de algodão branco. Durante ócio concedido, trocados por bens genuínos fumaças de lenha podre e boatos e boateiros e bocarras e bolsos rotos cozidos à pressa.

 

O Entrudo só o é alimentando ruralidades veras e ginetes com tradição. Ao domingo, cangas nos bovinos literais apenas no último antes da quarta de cinzas. O resto é Carnaval. Pela sexta já aviada, nas escolas, a criançada estreou contentamento vestido com fantasias inocentes. Copiados ícones de ecrã ou antecipadas profissões que a volatilidade dos sonhos desmentirá. Sevilhanas, rainhas, fadas, cowboys perdem clientela em favor de enfermeiras, médicas e bombeiros. Nem um infante escolhe toga «tribunalesca», máscara de político ou de professor. Sinal bom porque ainda protegidos da conflitualidade/banalidade quotidiana. Em tempo de desgraças, conjugam ideiais e protagonistas, heróis do presente. Felicidade fácil e pura, ajuntados euros que os pais exibam, orgulhosos, pela mão. Por cá e até hoje dentro, corre(ra)m dias de rentabilizar o gasto, gastos e desgastados arremedos tropicais.

 

Povo que não ri, nem brinca, nem se cumpre na alegria, esborratou pintura de esperança. Valem os Entrudos mais as «matrafonas»; brilham penachos e lantejoulas, partes das partes distantes, símbolos de calor nos corpos e almas, das cinzas não chegarem com o amanhã. Precários, devolvem a gentes bem-aventuradas pela ilusão o que, por direito, lhes pertence e não pôde, ainda, ser roubado.  

 
CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 10:06
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (10) | favorito
Quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2010

A «DESCOISA» CHAMADA DERBY

 

Jennifer Janesko

 

A «descoisa» clássica chamada derby foi comummente precedida pela chegada dos adeptos encarnados ao verde careca de Alvalade. Pela descrição dos cuidados policiais, parecia estar o Campo Grande e 2ª Circular sujeitas a terrorismo «etista», da Al-Qaeda ou do Hamas.

 

Inocentes condutores, no regresso a casa após dia de estafa, aguentaram em fila (im)paciente a marcha guerrilheira e gritada dos «tifosados» lisboetas. Rivais, são ditos. A «descoisa» tem piada: espicaçam-se mutuamente, insultam-se, olham, unanimemente cobiçosos, as capitosas meninas dos pompons, aliviam testosterona na forma de rugidos. Começado o desafio, a «mole» química vira humana. Primitiva, mas de homo sapiens feita. Berra impropérios contra o Di Maria e outros atrevidos nas balizas.

 

Conquista de bola expulsa contendor. Goooooooooooooolo do Benfica!, David Luís e um a zero. Onze contra dez, como vai sendo hábito. Sporting desaustinado. Os comentadores multiplicam adrenalinas e observações extraordinárias – “peixe num aquário”, uma delas. A multidão espectadora – esperada e não chegada – ulula.

 

Em casa, adeptos do sofá, engasgam a sopa e comandam silêncio à garotada. Adolescentes partilham a vibração do ecrã. Talvez cachecóis poeirentos agitados entre a garfada da janta e o livre de Carlos Martins. Apita ou não o Malquerença («diacho» de nome!)?


Amanhã é outro dia, mas quem dele quer saber quando a Taça da Liga é despique? Atira o relator de serviço;
- “Di Maria endiabrado. Joga para o Mundial.”
Ramirez, goooooooooooooolo! Dois a zero. Liedson, o «levezinho», enfia o terceiro. Goooooooooooooolo! Dois a um.

 

Desliguei o ligado. Como testemunha dou, superstição comezinha, má sorte ao clube preferência. Soando matinas, é conhecido o resultado, «recomentado» e requentado. Engavetado, o cachecol/herança não saiu. Cetim preto debruado a encarnado, sim. Macio, sobre a pele, foi melhor que muitos a um.
 
CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 06:15
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 8 de Julho de 2009

DOIS FUNERAIS E NENHUM CASAMENTO

 

Jennifer Janesko

 

Que saiba, nenhum dos meus amigos tenciona casar. Que saiba, e porque a minha leitura das revistas cor-de-rosa se limita a desfastio no cabeleireiro, notáveis reais ou de faz-de-conta também não contraíram núpcias. Aliás, o entretém de ver bonecos nos pomposos hairstyles é frequentemente impossível _ unhas pintadas de fresco, arrepelões do cabelo deixam-me com disposição canina. Sem paciência para nada além do “tirem-me daqui!”.
 

Ontem, foram a enterrar dois nomes/instituições com prestígio planetário. Sobre o do Michael, depois reduzido a cinzas, não escreverei mais do que isto. Os fãs que vertam lágrimas e se encarreguem de construir o inevitável mito – quem morre cedo e é famoso arrisca-se a perpétuos festins nostálgicos. O último desfile de Christian Lacroix é funeral de uma casa de alta-costura que durante vinte anos enfeitiçou inúmeras mulheres e menos homens _ pagar a factura de entusiasmo caro da parceira não deixa boa memória. 

 

Duas centenas de privilegiados assistiram à apresentação da última colecção. No caso, Outono/Inverno. “Como um esboço, como um desenho prévio da pintura", disse Christian Lacroix. Convite preto e cinza de acordo com o luto pela casa que fenece se nenhum comprador surgir até final de Julho. Manequins desfilaram à borla. As jóias que as enfeitaram foram emprestadas por amiga rica do criador de moda. Dos 125 funcionários, as costureiras há muito não recebem paga.

 

As dificuldades que a Maison Lacroix experimenta devem-se, parcialmente, ao facto do estilista/artista ter recusado transformar a sua obra artesanal numa simples marca produzida nos confins do mundo. Renegou os logotipos impressos, a facilidade duma griffe passível de contrafacção vendida nos outlets e feiras. Quem do sonho não desiste, arrisca o pescoço. Aconteceu. De novo. 

 

Mas Christian Lacroix luta. Incansável, sopra as brasas para que não seja perdida a chama de luxo e glamour da alta costura francesa que assina.

 

CAFÉ DA MANHÃ
 

Four Weddings And A Funeral

publicado por Maria Brojo às 00:03
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
Recomendo:

Exposição de Artes Plásticas - Conceito

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

últ. comentários

Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(
Curta as férias querida...Beijos
ABANDONODAVID MOURÃO FERREIRAPor teu livre pensame...
Ainda?Isso aí no Inverno é gelado ;-)

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds