Segunda-feira, 5 de Abril de 2010

KATYZINHA

Sally Davies


Ela fala de roupa. Das escolhas no vestir. Acrescenta o calçar. Linguagem vernácula de mulher em roupão e cabelo molhado. Do Norte. Cumpre estereótipos que é comum associar às gentes acima de Aveiro. Diz do execrável e das preferências. Reporta o In & Out. Subjectivo. Arrogante e condimentado por “olhem como penso a diferença” no fardar. Futilidade? Sim, não, talvez _ no discurso e na imagem expõe alma, do ser a impossibilidade de destrinçar verdade da mentira. Coragem ao serviço do "quem me confere o protagonismo do arrojo e da diferença"?


Fosse na estranja, e a Katyzinha era guru nos ecrãs ligados por cabos de bairro. Não tarda, derruba o rafeiro filtro nacional do debitado pelas têvês e algumas rádios. Quem passa Baião aos saltos e às «jokas», concursos de mala para encontrar o conteúdo, dispõe-se a tudo. É mulher nortenha e exemplo dos pré-conceitos freaks, concerteza!

 

Nota _ sugeriu o Pirata-Vermelho ensinar português sério no Brasil de modo que o exportado pelo povo de lá não contaminasse o de cá. Porém, digo: infeccionamo-nos muito bem sozinhos. A prova segue junta.


CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:36
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (11) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds