Sábado, 29 de Novembro de 2014

UMA HISTÓRIA DE AMOR (IM)POSSÍVEL

IMG_443_1_high.jpg

jorge_amado_3_1.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Carybé, ilustrador brasileiro

 

 

Houve tempo em que todas as noites desenhava ilustrações da história que engendrava para a hora da deita da pequenada. Contar o conto enquanto dava uso aos lápis de cor ou de pastel era hábito do qual nem adultos nem crianças permitiam falta. Amontoados maços de papel cavalinho com desenhos e o título do conto em lugar cimeiro. Em serões menos inspirados, relatava fábulas de La Fontaine e outras conhecidas por via de herança oral: como as raposas dizimavam as capoeiras das tias-avós solteiras na “Casa do Prado”, como os lobos uivavam ao redor dos pastores e seus rebanhos até o cão Serra da Estrela aparecer como salvador dos animais em pernoita nos cumes.

 

 

Numa das noites em que a minha fantasia dera ‘às de Vila-Diogo’, expressão raiana usada nos sopés da Estrela bastas vezes, socorri-me do conto que Jorge Amado escrevera em Paris no ano de 1948 como presente no primeiro ano de vida do filho primogénito. Quando o texto reapareceu em 1976, o artista plástico Carybé decidiu ilustra-lo e o autor publicou o conto de amor feito e de amor contado. Uma fábula enquanto metáfora social enredada num parque - lugar confinado - onde animais são atores e cada um solta a voz na narrativa sussurrada pelo “Vento”. Segundo este, o “Tempo” prometera a “Manhã” uma rosa azul se a história que ela lhe contasse fosse boa. E foi. E o “Tempo” passou a ser determinante nesta história de amor impossível entre o “Gato Malhado” e a “Andorinha Sinhá” – um mamífero e uma ave, um vagabundo temido por todos e uma ‘flor de estufa’ da alta sociedade.

 

 

As estações do ano regulam os sentimentos dos protagonistas. Na primavera, o Gato e a Andorinha conhecem-se. No verão, o Gato apercebe-se que está apaixonado pela Andorinha e fica com ciúmes por ela sair com o Rouxinol, seu mestre de música. No outono, o Gato sofre pela fama de mau, rabugento, perigoso, temido. De nada servia como reabilitação perante os outros animais a escrita de poemas apaixonados para a andorinha amada. O inverno é a tristeza pela separação dos amantes.

 

 

“O mundo só vai prestar

Para nele se viver

No dia em que a gente ver

Um maltês casar

Com uma alegre andorinha

Saindo os dois a voar

O noivo e sua noivinha

Dom Gato e Dona Andorinha”

 

 

Por que me lembrei da história de “O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá” contada por mim em família há anos e mais anos em cima? _ Na busca de memórias em fotografias, dei com uma captada num restaurante do Parque Mayer em que figuro belissimamente acompanhada: Zélia Gatai e Jorge Amado. Recordo (…)

 

 

Nota – Texto publicado hoje aqui.

 

 

CAFÉ DA MANHà

 

 

publicado por Maria Brojo às 08:33
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
Terça-feira, 6 de Dezembro de 2011

DUMA MENINA

Blake Flynn, Greg Horn

 

Lia desde os cinco. Antes, com ajuda do avô e do pai, juntara letras para satisfazer a necessidade louca de descobrir o sentido daqueles desenhos impressos a negro que contavam histórias lidas pela mãe ao adormecer. Satisfeito o sono, pulava para a cama onde a esperava o colo materno; continuava a ouvir o que a noite interrompera. Devorou a ‘Formiguinha’ antes da entrada na primária. Talvez pela condição de filha única, além dos amigos reais, privilegiava os imaginários, dela em lugar primeiro, dos Grimm e de La Fontaine. Da Comtesse de Ségur, da Louisa Alcott, mais tarde. Da Odette de Saint-Maurice cujas estórias ouvia nos sábados da rádio sob o formato de episódios. Desenhava as cenas, treinava a figura humana. Fez do carvão um amigo – os lápis de cor pouco lhe diziam. Blocos de ‘papel cavalinho’ gastos em menos do soprar de um fósforo. E os pais, compreensivos e atentos, reabasteciam-na dos instrumentos/brinquedos. E pensavam a filha como menina-prodígio pela celeridade das aprendizagens e múltiplos interesses. A verdade desmentia – tão somente criança só buscando na fantasia irmãos que não tinha.

 

Um dia, desprezando a conversa das cegonhas, da mãe quis saber se nela existia a vontade de ter um bebé. Que sim, que tinha, que se veria. E tinha, mas não chegou. Até hoje, o porquê não foi explicitado e vivem ambas a não-pergunta, a não-resposta. Fosse noite de estio que pede liberdade fora de paredes e nenhuma das lembranças acima ocorreriam. Mas é serão dum Dezembro morno acolhido em alma fervente a propiciar revisitação de idos, enquanto lãs e enfeites desenham motivos outros.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 07:12
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (8) | favorito
Segunda-feira, 20 de Julho de 2009

JUSTIÇA, LA FONTAINE E A RÃ

Frank La Torre e Rafhael Ray

 

Fábula de La Fontaine revisitada. Fosse assim tão despachada a justiça em Portugal, e não seria a chaga que tantos faz penar.

 

"Decidi sair do trabalho mais cedo e ir jogar golfe. Quando escolhia o taco, notei que havia uma rã perto. Disse a rã:
_'Croc-croc! Taco de ferro, número nove.
Achei graça e resolvi provar que a rã errava. Peguei no taco sugerido e bati. Surpresa: a bola parou a um metro do buraco!
_ Uau! - gritei, virando-me para a rã.
_ Será que és a rã da sorte?
Resolvi levá-la comigo até o buraco.
_O que achas, rã da sorte?
_ Croc-croc! Taco de madeira, número três.
Utilizei o taco 3 e bati. Bum! Directo no buraco. Dali em diante, acertei todas as tacadas e fiz a maior pontuação da minha vida.

 

Levei a rã pra casa. No caminho, falou:
- Croc-croc! Las Vegas.
Mudei o caminho e fui directo para o aeroporto. Nem avisei a família.
Chegado a Las Vegas, disse a rã:
_ Croc-croc! Casino, roleta.
Sugeriu:
_ Croc-croc! 10 mil dólares, preto 21, três vezes seguidas.
A aposta era loucura, mas não hesitei. A rã conseguira a minha credibilidade.

 

Coloquei todas as fichas. Ganhei milhões. Peguei na «massa» e fui para a recepção do hotel. Exigi suite imperial. Tirei a rã do bolso, coloquei-a sobre os lençóis de cetim e disse:
_ Rãzinha querida! Não sei como pagar-te tantos favores. A minha gratidão é eterna.

Replicou:
_ Croc-croc! Beija-me na boca.

Tive nojo, mas fui coerente. No momento em que a beijei, transformou-se numa linda «barbarella» de 17 anos, nua, sentada sobre mim. Empurrou-me, devagarinho, para a banheira de espuma.
 

Houve denúncia, o caso chegou à Comissão de Ética e fui processado. Aleguei:

_ Juro por Deus que foi assim que consegui a minha fortuna. A menina, simplesmente, apareceu no meu quarto. - 

Não só o Presidente da Comissão de Ética acreditou, como todos os membros do Tribunal. Fui absolvido.”

 

Nota  - versão adaptada de um texto enviado pelo caríssimo António Eça de Queiroz.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 07:40
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (16) | favorito
Recomendo:

Exposição de Artes Plásticas - Conceito

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

últ. comentários

Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(
Curta as férias querida...Beijos
ABANDONODAVID MOURÃO FERREIRAPor teu livre pensame...
Ainda?Isso aí no Inverno é gelado ;-)

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds