Quinta-feira, 16 de Janeiro de 2014

CONFISSÕES E ADIVINHAÇÕES

 

 

    

Duma - Think About It                                                                               Duma - The Green Stone

 

São tentadoras. Dizendo respeito aos outros, especulamos com facilidade sobre atitudes e intenções. Não raro, os vemos como se foram terreno em pousio à espera da nossa sementeira de grãos feitos de causas adivinhadas do neles visto ou ouvido. Arrogamo-nos esse direito sejam familiares, amigos, conhecidos ou figuras públicas as vítimas. Em contrapartida, ai de quem tente o mesmo connosco. Consideramo-nos, de modo geral, acima de análises críticas dos comportamentos tidos. Talvez por arrogância, mais ainda pelo défice de auto análise. E se devia ser hábito regular pensarmo-nos com humildade, identificarmos as próprias fragilidades e forças para um autoconhecimento a permitir evolução! Mas não. Cristalizamos imperfeições por comodidade, parando no tempo em que fomos e naquele em que somos. Depois, os outros que paguem a fatura pela preferência em julgá-los do que passarmo-nos metodicamente em revista segundo o mapa desenhado pela psique individual.

 

Desde tenra idade, fui iniciada na avaliação criteriosa do meu ser. Rebelei-me. Render-me-ia, mais tarde, ao procedimento. O amadurecer pelos gostos e desgostos foi razão. Obrigada, portanto. Dolorosa a tarefa. Avançada no caminho, preferi entender os outros com o sentimento da impossibilidade de os esgotar. Posso sentir com eles. Não posso sentir por eles. Bani adivinhações. O ato de especular. Consequência: tornei-me híper sensível à pressa dos julgamentos alheios. Agora, protejo-me desse vício exterior a quem sou. Ou penso ser. Porque ainda que treinado criticamente o reflexo do espelho em que me revejo, sei-o enganoso. Pronto à brincadeira. Continuo a não o evitar. Mas sei o logro em que me afundo se o creio inocente. Fazendo-o, afundaria comigo a relação com os outros indispensável à minha vida em sociedade. Pensar egoísta. Ainda assim, preferível à injustiça das adivinhações sobre quem me rodeia ou dela sei o existir.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 09:04
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds