Segunda-feira, 20 de Abril de 2015

CONTOS DE FADAS? _ TALVEZ NÃO!

JINCHUL KIM (2).jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Jinchul Kim

 

 

 

O Fernando Nunes Vicente refletiu, de modo leve e agradável, sobre um estudo inquietante do qual cito a parte sumarenta: “as meninas que em pequenas se deliciaram com os contos de fadas têm mais possibilidades de virem a ser maltratadas em adultas.” Direi, dando préstimo a termos ali adquiridos, que a revisão da «atitude textual» relativa aos contos de fadas não é nova. Desde há trinta anos que as histórias de princesas compassivas, pele branca, olhos azuis e lábios de rubi têm sido chicoteadas. Não à toa, pese embora a dívida de gratidão pela doçura dos sonos e sonhos da infância.

 

 

No anterior blog alinhei ideias sobre as representações subjacentes a tanta princesa adormecida, gatas borralheiras passivas e «rapunzeis» pacientes. A escandalosa complacência das vítimas perante bruxas e madrastas opressoras, príncipes ou monstros que o amor transfigurava, não podia ser bom presságio para meninas embaladas em partes iguais por fadas, biberões e papas lácteas. Tinha de dar no que deu - mulheres confinadas à subserviência face à família e aos ditames sociais.

 

 

Preocupante, é também o conceito, ainda hoje enraizado, de o que o amor transfigura quem toca. Beberrão, mulherengo, leviana, irresponsável, ou perverso, virará beatífico se tocado pela «varinha-de-condão» do amor. O pior é que muitas - mais elas que eles, convenhamos! - caem na ratoeira. _ “Ah, ele muda, verás, só precisa de uma oportunidade!” Uma, duas, três, «n» oportunidades. Gemem por volta da décima, quando a dor se sobrepôs ao orgulho. Aí, já as úlceras do espírito são mais profundas que as da carne. 

 

 

 

CAFÉ DA MANHà

 

 

 

publicado por Maria Brojo às 08:00
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
Quarta-feira, 6 de Janeiro de 2010

INIMIGO? _ NÃO EXISTE!


Alberto Pancorbo

 

Contava como eram tratados os mexicanos pelos turistas norte-americanos: com desprezo. Julgavam não ser percebido o inglês falado quando o sarcasmo pelo povo que os recebia era, afinal, entendido. Humilhante. Lembranças de infância e juventude que viriam a determinar-lhe opções – jamais estar num país sem tentar perceber a língua nele falada. Cantou em checheno para crianças, algumas delas sobreviventes do massacre na escola de Beslan. Ali, em Setembro de 2004, a barbárie terrorista sacrificou, pela tortura e morte, crianças, pais e professores.
 
A beleza da sua voz melancólica e quente levá-la-ia a múltiplas partidas no mundo. Solidária, dizia não entender a palavra ‘inimigo’:
_ Pessoa é pessoa semelhante a quem a rotula pelo ódio, preconceito ou nação a que pertence.
Por isso, cantou em árabe melodia de amor, transversal a todas as sociedades, num concerto em Nova Iorque.

 

Amava a vida com paixão. Projectava ter filhos. O cancro na mama levou-a no primeiro dia do ano. Tinha 37 anos. Fica a voz gravada em três álbuns e o sentir de Lhasa de Sela:
_ “A música triste não me dá tristeza, mas alegria pela nostalgia que também é vida. Dela, retenho o contentamento.”

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 06:22
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (20) | favorito
Recomendo:

Exposição de Artes Plásticas - Conceito

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

últ. comentários

Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(
Curta as férias querida...Beijos
ABANDONODAVID MOURÃO FERREIRAPor teu livre pensame...
Ainda?Isso aí no Inverno é gelado ;-)

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds