Sábado, 9 de Janeiro de 2010

ESCOLAS COM HISTÓRIA


Alain Aslan

 

“Foi criada em 1885, ocupando um edifício do Largo do Contador-Mor, em Alfama, graças à iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa. Tinha como objectivo principal - de largo alcance social para a época - "a emancipação da mulher pela instrução", como pode consta no seu primeiro relatório.

 

Inicialmente, chamava-se Escola Maria Pia, em homenagem à rainha. Tinha 45 alunas inscritas, tendo muitas delas, entretanto, desistido. Os motivos da desistência parecem relacionar-se com a sua localização, considerada já no extremo da cidade e de difícil acesso, e com o facto de, erradamente, se pensar que podia fornecer habilitação para o exercício do magistério primário, nova carreira pouco antes aberta às mulheres. Por isso, apenas terminam 26 alunas, com aproveitamento, a frequência desse primeiro ano.

 

A Escola tem uma feição eminentemente prática, visando "iniciar no país o ensino de carreiras produtivas que podem e devem pôr a mulher (...) ao abrigo das necessidades, habilitando-a a ganhar honestamente os meios de subsistência". Ministrava 4 cursos: lavores, tipografia, telegrafia e escrituração comercial. Contudo, professoras e alunas têm aspirações mais altas contrariadas pela "estreiteza da casa".


A grande ambição era passar a Liceu. Por ela lutaram o professor Caetano Pinto e a doutora Domitília Carvalho, futura reitora deste estabelecimento de ensino. Em 1906, por fim, o rei D. Carlos I assina o decreto que institui o primeiro liceu feminino em Portugal.

 

A frequência foi crescendo e, em 1911, o Liceu Maria Pia foi transferido para o palácio Valadares, no Largo do Carmo. Apesar do progresso da mudança, o edifício pequeno forçou o desdobramento das alunas em 2 turnos. O ideal seria instalações próprias, semelhantes às dos liceus masculinos da capital. Mas o corpo docente deseja mais: pretende também a frequência dos cursos complementares e, desse modo, a elevação à categoria de Liceu Central. Foi o que veio a acontecer, em 1917, por decreto do Presidente da República, Sidónio Pais, passando a escola a denominar-se "Liceu Central de Almeida Garrett".

 

O problema das instalações continuava por resolver. Arrastou-se ao longo de vários anos, não obstante, após a mudança para o Largo do Carmo, ser nomeada comissão encarregada de escolher terreno e elaborar projecto do novo edifício. Um primeiro, da autoria do arquitecto Ventura Terra, acabaria por ser substituído por outro, o actual, embora baseado no anterior, nomeadamente no que se refere ao átrio e à escadaria central. (…)”

 

Uma de algumas escolas d’antanho que alteraram o rumo de gerações de jovens mulheres portuguesas. Merece lembrança. Qual é esta, qual é o histórico bastião da Mocidade Portuguesa Feminina na capital do império que era sem ser? Bombom gracioso para  leitores curiosos.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

Vídeo que, por si, é post.

 

 

publicado por Maria Brojo às 10:27
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (6) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds