Terça-feira, 28 de Setembro de 2010

AMOR EM 'TIME-SHARING'

Autores que não foi possível identificar

 

As partilhas quotidianas faltam quando não existe o 'ele-amor' ou família ou amigos que ouvem, analisam, dizem, criticam, dão bordoadas e ajudam a remediar desarranjos informáticos, emocionais e caseiros. Indiferente a proporcionalidade entre eles e elas que precisam da comunicação como fonte de onde corre o repensar/discurso, conquanto especialistas afirmem o género feminino mais dependente da verbalização. Todos apreciam e precisam d’almas abertas sem delas esperarem obrigatório afago nas costas. Constando por sistema o item, desconfiam – ou mentira, lá foi a verdade dar volta ao quintal, ou servilismo malquisto, amizade prezada dele não quer saber ou precisa.

 

Ido um ou dois ajuntamentos, carimbados ou não, ida a meta dos quarenta para procriar e ilusora de velhice rodeada de netos e doce manta sobre joelhos colados, dos almoços/reuniões de família em tempo de liberdade semanal, aceites barrigas e flacidez e envelhecimento comum, uma de três realidades: não existe casal nem paixão tresloucada como toda a paixão deve ser, nem vontade de permanente vida comum.

 

Eles e elas, antes dos quarenta, também depois, vão ficando num ‘vemo-nos quando a semana der’. Desejam amor império. Inexiste, logo, não casam. Não aspiram a procriar infantes loiros e belos, logo, adiam compromisso. Já procriaram, não querem mais querubins, acreditam num amor majestade que um dia chegará e não chegou, não se ajuntam – preferem partilha e o calor e a ternura e acompanhados os malvados ócios solitários, por muitos indesejados, requerem companhia de acordar, jantar e de cama nalguns dias da semana. ‘Vão ficando’ - limbo afectuoso que daí não cresce. Que não é um mal. Que pode ser germe de venturas muitas. De ligações com manta para o melhor e pior.

 

Amor em time-sharing com a individualidade? Talvez, ou sim altivo sem vergonhas encolhidas pelos ditames que foram e enformaram, pela assunção de moralidade que a vigente já não condena.  

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

Cortesia de 'Anónimo'

 

publicado por Maria Brojo às 06:28
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (12) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds