Quarta-feira, 1 de Dezembro de 2010

POST PEPSAMAR

 

Mark Sparacio, autor que não foi possível identificar

 

Entender é fácil e agrada-me numa parte do todo: desejo de participar em tertúlias sem arredo da cadeira almofadada – a verdade é que cada vez mais escasseiam (até o Vavadiando está suspenso!) -, volver ao trabalho ou à lida doméstica, espreitar de novo, interromper e assistir ao desafio de futebol, arrumar pendentes, viajar num filme ou nas «têvês» ou por músicas e escritas várias. Saudável entreter permitido pelos meios tradicionais a que o hoje acresce redes sociais, jornais do mundo, vídeos e blogues. Alargada a panóplia de quem não desmerece estar com o lugar de todos.

 

Desentender, porque fundamentado em atitudes longínquas dos meus horizontes, é, de modo contraditório, igualmente fácil: escoar descontentamentos pessoais, bílis incómoda, azia sem Pepsamar na reserva das emergências, insónias, mandar a sítio pouco recomendável, quiçá merecido!, o chefe da repartição que não pára de atazanar ouvidos e cabeça do funcionário em serviço. Afinal, os seres humanos primam pela (ir)racionalidade.

 

Não aceito, por liberal que seja o SPNI, tamanho chorrilho de ofensas directas e indirectas entre comentadores como as que ciclicamente infestam este sítio. Haja contenção senhoras e senhores! Critiquem, demolir textos não me aflige, mas o respeito entre gentes é bonito de ver, melhor ainda de ler. Ora, sendo a concórdia e o pendor para a harmonia traves da minha matriz, não reservo bom grado a três «ós»: ociosidade ofensiva e ostensiva. Há dizeres com graça que melhoram incrivelmente maus fígados. Vantagens: é estimulada a imaginação traduzida em palavras escritas, a reinação cresce – o pretendido! – e o pessoal sai aliviado de maçadas exteriores, dentes isentos de rangidos. Acordar para a subtileza cordial é tão, mas tão mais divertido... Que tal descobri-la como alguns comentadores fazem com mestria?

 

CAFÉ DA MANHÃ

  

publicado por Maria Brojo às 09:49
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (5) | favorito
Quinta-feira, 15 de Julho de 2010

DESEMBOCANDO NA DOUDICE

Mark Sparacio


Velhas, algumas, mas adequadas caricaturas do desempenho dos nossos infantes nos exames da área científica que envolvem Matemática, Física e Química. Estas duas utilizam como ferramenta a primeira. Combinação que ensarilha a cabeça de muitos. De tantos que, ao saberem de alguém que lhes dedica boa parte da vida, exclamam: _ Ui!

Como se fora horror o gosto, só equivalente a amar baratas, ou se a/o personagem tivesse desembocado na doudice.

 

Segue o retrato fatiado:

- o metro é a décima milionésima parte de um quarto do meridiano terrestre e para o cálculo dar certo arredondaram a Terra!

- para fazer uma divisão basta multiplicar subtraindo.

- uma tonelada pesa pelo menos 100Kg de chumbo.

- a latitude é um circo que passa por o Equador, dos zero aos 90º. 

- o piloto que atravessa a barreira do som nem percebe, porque não ouve mais nada.
- o teste do carbono 14 permite-nos saber se antigamente alguém morreu.

- a Terra vira-se nela mesma, e esse difícil movimento chama-se arrotação.

- a água tem uma cor inodora.
- a Terra é um dos planetas mais conhecidos e habitados do mundo.

 

Remate lido numa casa de banho de estabelecimento de ensino secundário (10º ao 12º ano):

- o vegetal mais cubissado.

 

Após e além do lido, quem aguentou, digo – brincar com as palavras é vício -, admira-se de ter reprovado metade dos alunos inscritos nos exames nacionais de Matemática do 9º Ano? Que a média em Física e Química – 11º Ano - tenha sido 8,4 valores? Reformas como montanha russa que não cessa de  girar, medíocre conhecimento da língua portuguesa, manuais que desafinam entre eles quanto à abordagem dos conteúdos a ministrar, «infantilóides» - bonecos em vez de esquemas sérios -, não estando coordenados os conhecimentos matemáticos precisos para Física e Química, estando, quais anjos caídos!, a imagem da escola e dos professores no chão, abolido o exercício da autoridade dentro e fora das famílias, desmembrado o princípio do esforço individual como valor a preservar desde cedo, nada surpreende no «desêxito» dos ‘piquenos’.

 

Perguntando-me o que espera alguns, cito Paulo Portas (desta, m’arrependerei para o sempre todo):

_ “Subsídio numa mão, pistola na outra”.

 

CAFÉ DA MANHÃ

Também é possível darem nisto:

 

publicado por Maria Brojo às 09:43
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (10) | favorito
Quinta-feira, 24 de Junho de 2010

MÁFIA «SOPRANA»

Lorenzo Sperlonga e Mark Sparacio

 

“A população mundial precisa de 1,4 planetas para cobrir a actual procura de recursos naturais. Cada cidadão americano «ocupa» o dobro do espaço utilizado por um europeu e um europeu o triplo do que necessita um africano.” Tanto para tão poucos! A estimativa não é novidade; complementada pela crise económica, obriga a (re)pensar o actual way of life do Ocidente. Quando parte ínfima da humanidade requisita para uso fracção maior da Terra, a humanidade faz o pino e persiste no ‘pernas para o ar’.

 

Prova esta pirueta, o badalo ontem chocalhado: os americanos no Afeganistão custeiam os talibans. Desembolsam milhões de dólares a troco da segurança no transporte dos bens necessários aos guerreiros made in U.S.A.. Alvoroço inevitável nos patrícios sob o pano com stars and stripes. Resta o facto: inimigo financia inimigo. Máfia «soprana», máfia soberana. Série com sucesso nos ecrãs transposta para o palco real.

 

Quem dera insensibilidade aos (e)feitos dos mandantes nas relações internacionais que as guerras fazem e contaminam! Mas não – cidadão do mundo queda-se. Fica absorto pela pintura descascada. Olha à volta e condiz o que presumia condizente. Malvada perversidade em que o ser comum é vítima e culpado!

 

Porque hoje giro ao contrário, mais do que o escrito seria além do Além.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 10:40
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (4) | favorito
Quarta-feira, 3 de Março de 2010

PAISANAS E «POVO-VER»

Mark Sparacio


Andamos inseguros pelo dizer de um estudo baseado no sentir dos cidadãos. Desde Viseu à Grande Lisboa, a unanimidade é evidência. Trabalho precário, receio de máfias importadas e nacionais, violência corpo a corpo, acidentes de viação inspiram temores. É natural – a estatística fundamenta-os e o pressentir, também.

 

A PSP decidiu colocar «agentes-paisanas» nas passadeiras destinadas aos peões. Objectivo: atemorizar automobilistas e passantes infractores. Fosse pedagógica a decisão, e aplaudiria sem ‘clap clap’ das palmas donde crescem dedos – mais conta interiorizar regras e normas imprescindíveis a estar solidário do que multas caçadas. Efectivos policiais, para as encomendas múltiplas insuficientes, desviados para as zebras. À paisana é mau sinal. Fardados seriam chamada de atenção. Encobertos, lembram euros em caixa pelas contravenções assi(nal)adas.

 

Clamar por inteligência nas atitudes preventivas de males sociais é necessário. Se arriscamos fintar o trânsito e aparecermos no lado oposto cabriolando entre automóveis, é loucura. Se, olhando esquerda e direita, nem um peão ou veículo por perto a vários metros distantes, é destreza segura compatível com pressa dos auto-mobilizados ou andantes.

 

Na ameaça policial, mostra de «povo-ver». Adequado ao desleixo das autarquias que não desmobilizam infractores por via de sinalização, radares e desníveis alcatroados. Ausente instrução para a cidadania – diminuiriam inseguranças e mortes e males outros. Falta no currículo escolar mais do que sexualidades múltiplas. Daquela, préstimo que beneficia todo o ser pessoa. Sexual por inerência. Nas disciplinas leccionadas, Áreas de Projecto serviriam o todo humano, fossem o que deviam ser. 

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 06:42
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (9) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds