Segunda-feira, 2 de Setembro de 2013

NOS 80, ERA "A MOVIDA". HOJE, O DESEMPREGO

 

 

O sol recolhe-se e anuncia a noite madrilena. Os ocres, os laranjas invadem o longe e o perto de Madrid. A tijoleira de revestimento da maioria dos complexos habitacionais, pela reflexão irregular da luz visível que multiplica os tons quentes, confere ao entardecer luminosidade estonteante.

 

 

Envolta a cidade no breu celeste, a iluminação urbana é feérica nos lugares/emblemas da cidade sem gente e triste. E não é por ser o final de Agosto que, normalmente, esvazia de nativos as capitais e soe trocá-los por hordas de turistas. Os madrilenos ou escolheram os 'pueblos' de origem para férias económicas, ou se mantêm em casa protegidos da canícula e da tentação de esvaziar os bolsos magros - o desemprego em Espanha é o segundo maior da Europa - numa bebida, num jantar na multiplicidade de sítios abertos. É verdade terem cerrado, temporariamente, as portas os mais célebres. Aberta a restauração acessível pelos preços. O turismo é quase nulo - Madrid também se ressente da crise económica europeia e mundial, ressalvando os países emergentes. No vazio do inolvidável "Geographic Club" (é pecado não entrar!), houve tempo para conversa com o proprietário. Foi categórico: _ "Madrid es muerta." Por outro lado, é refrescante estar numa cidade ícone do turismo sem ver manadas de orientais clicando por tudo e nada, reconhecer que os brasileiros constituem a maioria dos visitantes.

 

 

O luxo e o esplendor continuam a vigorar na oferta noturna. Uma pizzaria decorada como "La Tagliatella" jamais vi. Baixando o olhar da magnificência do cenário, entristecem as mesas desocupadas na maioria. Passado um quarto de século da "Movida Madrileña", nascida como reação natural dum povo sujeito a ditadura nas quatro décadas anteriores, o movimento contra cultural rapidamente alastrou a todo o país. "Pedro Almodóvar  foi a maior estrela que surgiu naquela época e que alcançou projeção internacional e que se mantém até hoje no estrelato.  Atuava no teatro e era cantor de rock-punk, onde se apresentava travestido ao lado de Fábio McNamara. Como diretor, cultuou o marginal nos seus filmes de forma ácida e crítica. Na sua filmografia, não há nenhum drama sem comédia e nenhuma comédia sem drama. Soube colocar os holofotes para a realidade do subterrâneo e que para a maioria dos conservadores e otimistas, era apenas o surrealismo de um jovem desvairado. A Espanha precisava mudar a imagem conservadora e reprimida. Necessitava se livrar dos resquícios da mão dura de Franco. Por isso, toda a transgressão foi respaldada principalmente pela classe política de esquerda. Queriam mostrar um país democrático, novo e principalmente, moderno."

  

“...Segue a movida madrileña
Também te mata Barcelona
Napoli, Pino, Pi, Paus, Punks...”

 

 

Não fora a tristeza que contamina o respirar de Madrid, este lugar belo no kitsch assumido estaria à pinha. No contrário, permiti-me a extravagância de brincadeira narcísica para depois rir de mim própria.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 07:23
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds