Sábado, 6 de Agosto de 2011

À BEIRA DOS NOVECENTOS

 

Andrew Valko

 

Sol a rodos, após manhã sombria – do recorte da serra nem vislumbre pelas nuvens cinza que dela escorriam. É comum nestas bandas – muitos transpiram no Sul, outros sorriem pela frescura que, mesmo em noite de cantoria de grilos, pede manta de lã pura em cima dos joelhos se a leitura ou um filme ou amena converseta estimulam o serão. Portadas sempre abertas, que estes breus estrelados requerem panorama inteiro e aconchego quente nos sofás. À mesma, alças e algodões finos (des)cobrem a pele ávida de ar leve pela pressão diminuída que os quase novecentos metros de altitude justificam.

 

Pelo acordar, aberta a porta do terraço superior, no cadeirão em frente da montanha continua a preguiça 'do olho aberto, outro não'. Remata o inspirar da brisa matutina, o copo de leite gelado, a xícara de ‘café das velhas’ tomado com vagar. Não há pressas, urgências não atordoam, a família dorme marcando ainda os ponteiros as sete. A doce música do silêncio embala o começo de mais um dia serrano denunciado pela luz coada.

 

Pelas doze horas, o Sol já nele faz naufragar o horizonte longínquo que, enganoso, parece mesmo ali ao alcance de caminhada breve. Mas não – a experiência andarilha diz que em menos de quatro voltas do ponteiro maior do relógio não é chegado o cimo. Seja como for, e por do longe o perto a gente fazer, é prá amanhã acertado madrugar, mochila às costas, calçado montanheiro e guarda-vento protector do frio que o Sol nascido não logrou tempo para o amenizar.

 

À tarde, é tempo do nada ou de biquíni mínimo sobre o corpo alongado na espreguiçadeira – entre a latada e o pessegueiro ajoujado de frutos em seu crescer, «bucho» aparado à beira, a pele, dengosa, recebe “UVs” amigos e deixa-os penetrar. Livro na mão, câmara a jeito, gozo infinito, é, depois, chegada a hora do duche, dos afagos com creme hidratante, duma sopa e pouco mais. A esperança num amanhã idêntico, mais a certeza de sono fundo pela não parança diária, induzem passagem para benfazeja outra margem.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:29
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (6) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds