Terça-feira, 31 de Março de 2015

A TRANCA DA BARRIGA

Aerobics%20with%20Olga.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Aerobics with Olga”

 

 

“Come filha, come a sopinha toda. A sopa é a tranca da barriga.” Este era dito regional. Uma tranca na barriga é supremo desejo dos que não têm tento no que enfiam pela boca. Entram entradas, entram comezainas diárias que incham e alargam o perímetro abdominal. Dizem indício de obesidade se nos homens ultrapassar 97 cm. Nas mulheres não sei ao certo, mas o que sofrem frente ao espelho é martírio de vida. Para o Vinícius, leve curva da barriga na mulher era essencial. Discordo. Olhamo-la de lado, de frente, e, vislumbrada, voltamos à «fomeca», acrescemos abdominais e penamos e bebemos água e tisanas e engolimos pílulas para, curtos dias após, naufragarmos em sobremesas. A tranca da barriga, hoje, tem nome: banda gástrica. Um horror! Já dei loas pelo peso estável que caterva de abdominais mantinha. O peso aumentou um «nico», mas foi às malvas a caterva.

 

 

 

 

“Trago-o nas palminhas das mãos.” Outro dito popular. Este não aprecio - subserviência a mais. Sugere lamber botas, amoinar, renunciar à própria opinião. Para isto não sirvo - o nariz trai-me e desata a empinar como o do Pinóquio ao mentir.

 

 

 

 

“Aquele é do pomar de Jesus...” Chiste de família que uso bastas vezes. Ingenuidade serôdia, crendice tola. Venda nos olhos que a patetice, a teimosia, não raro a paixão que ao indivíduo surripiam objetividade e raciocínio escorreito. Todos, uma vez, por outra, visitamos o referido pomar. O que não entendo é a associação entre inocência tonta e a idealização de Jesus. Olho vivo para o cinismo humano, a tradição preservou-lhe. Será que o princípio de oferecer a outra face a quem numa já bateu tanto enviesou?

 

 

 

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

 

publicado por Maria Brojo às 08:00
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
Terça-feira, 31 de Dezembro de 2013

VAI O VELHO, CHEGA O NOVO

 

                                                     

                                                             

                                                                   Retrato meu pela talentosa pintora Natalia Gavrilyachenko

 

Maria Brojo

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 09:00
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
Segunda-feira, 17 de Outubro de 2011

PORTUGUESA, EXEMPLAR

Salvador Dali

 

Inscrição simples – documentos banais do candidato e impressos em dose comedida. Seleccionadas diligências pretendidas, a instituição actua: visita de reconhecimento por técnicos especializados, definidos cuidados a prestar. Tomado como exemplo casal idoso, lisboeta, ele acamado, a mulher, oitenta para cima, ainda ligeira apesar dos anos acumulados e dalguns padecimentos. Difícil mover o diabético, amputado, regular a glicemia, cuidá-lo para que feridas não surjam e alastrem. Por menos de vinte euros, a instituição envia regularmente enfermeiras, acompanhadas ou não de médico, e cuidadoras da higiene do doente.

 

Na última visita do pessoal de enfermagem, detectada pele seca e uma borbulha na perna restante. Mereceu atenção que olhos desprevenidos julgariam sem importância. No dia seguinte, uma médica desloca-se ao domicílio, inspecciona o motivo de alarme constante no relatório da enfermeira, medica e recomenda o que fazer; do mesmo modo, anota ser necessária consulta da especialidade. Novo dia, a equipa técnica verifica se o tratamento obteve resultados positivos e regista tensão alterada. Marcada consulta outra sempre ao domicílio. Fraldas e resguardos fornecidos mensalmente em número suficiente para não existirem faltas.

 

Informação repetida ao logo dos dois anos de assistência: _ “Havendo necessidade, basta telefonema a qualquer hora para ter auxílio aqui em casa.” Desde então, os serviços prestados continuam idênticos na eficácia. Nome da instituição: Santa Casa da Misericórdia. Portuguesa, exemplar.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 13:58
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (14) | favorito
Segunda-feira, 30 de Maio de 2011

«AXÁSTE-LO»? _ «AXEI-O»!

Bart Lindstrom

 

Após fim-de-semana repartido entre trabalho e lazer, decisões sérias sobre património familiar, um ouvido na rádio, outro captando sons da consciência, apaguei da memória a campanha das sardinhas, bares e chuvadas e maldizeres. Decidida a orientação do voto, persisto na substância que dos folclores se eleva. Escolhi ideias em detrimento de pessoas que nos média as simbolizam. Ainda assim, averiguei se entre pensamentos e postura havia incoerências. Não as achando, optei e, somente pelo termo achar, veio à lembrança estória que testemunhei. Ocorreu numa missa dominical de aldeia e julgo-a por aqui já contada. Em duas penadas, o resumo: avó arrasta o neto pela mão com o sentido no ritual abençoado que ao neto sirva e ensine. Sendo o garoto pequeno e manifestando tédio, ocorre-lhe como motivo de fuga a urgência dum «xixi». Sussurra à avó a precisão. Autoriza. O catraio sai em demora pouca. No regresso, lamento baixo: _ Não o «áxo»! A avó, lesta, verifica se a braguilha está aberta. _ Despacha-te. Na volta, tão enfastiada como o neto, inquire: _ «Axáste-lo»? Responde o petiz: _ «Axei-o». Deo Gratias dizia o sacerdote.

 

Como antes, como agora, importa a destrinça entre o acessório e o que faz diferença. Fartos estamos de abordagens delicodoces também por via de papelotes com esferográfica anexa. Louvo a míngua de ofertas e recursos que a ‘crise’ justifica para aqueles que, astutos, recusam ficar mal no retrato poupado. O meu «axei-o» tranquiliza-me. Certa estou da sensatez na resposta à pergunta «Axáste-lo»?

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 07:05
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds