Domingo, 17 de Abril de 2011

NA E À VOLTA DA 'ORIENTE'

 

Aços cruzados, revestidos com protecção duradoura. Catedral, abside de arquitectura apurada pelo mestre Calatrava. Qual o sentimento de quem no esquiço adivinha obra feita e a vê, solitariamente, antes de construída? Semelhante, presumo, ao do escultor que mármore ou madeira ou granito informe cinzela até brotarem partes do todo que modelou no espírito. O mesmo do compositor que antes de ser já ouve a melodia, do pintor que na tela branca vê diálogo com a paleta. 

 

 

O céu recortado era matutino, ainda de aço a moldura sem ouro solar que a alindasse. Comboio parado, outro que não vinha. O desejo impunha acelerar relógio que na estação anunciava horas e chegadas; voz feminina dizia cumprimento de horários. Nem um suspiro após, olho luminoso surgia ao fundo vindo doutra Lisboa ribeirinha.

 

 

Carris alinhados, juntas de dilatação espaçadas. Arte conjunta da ciência e tecnologia. A ilusão postada na linha férrea _ Quem verei desembarcar no cais além do rosto amado? Após nadas imensos que valeram anos e séculos e milénios, era trémula pela ansiedade que em si não reconhecia desde a adolescência remontada/revivida há quinze anos. Outro o rosto causa. Infinitamente melhor a emoção. E que a memória seja poupada a acusações por deslutre do que foi passado. 

 

 

Pinheiros de copa redonda, mansos e saborosos como os pinhões chegando o tempo deles, mexem com o Sul da alma onde afectos espigam e ciciam sussurros de leito e deleite. Vista breve ao horizonte conhecido – o casulo em espera venceu opositor por belo que fosse. Nas boas-vindas ao perto urgente, seria dos corpos a fala e a batalha com armas doces.

 

 

Antes do regresso à beira-rio, fora o 28 trilhando seus carris. Nas ruas o deslizar. Nas madeiras do interior, estórias inúmeras e com fins. O guarda-freio, silencioso, guia, na maioria, estrangeiros. Com o tremelicar do ‘amarelo’ sobem corações. E ao descer os degraus, ruelas e becos e travessas e a prata do Tejo olhada de cima. Sem fastio ou cansaço, os corações continuam a subir. Somente depois, a fronteira rasa do rio, modernidade na arquitectura boa.

  

 

Raças que se encontram num espaço/emblema recente da Lisboa cosmopolita, agora mais do que nunca. Harmonias tocadas por dedos hábeis na arte de bem lidar com as cordas, voz que solta saudades do país origem e doutros que nunca viu e tão bem souberam exportar música, hoje, do mundo. No cacho de caracóis rematados ao alto, beleza; porque está em toda a parte, basta atentar.

 

 

Adeus cidade, boa-tarde Oriente! Tem boa-noite no Sul.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:07
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (4) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds