Sexta-feira, 30 de Março de 2012

PINGOS RETIDOS

Paul Corfield

 

Fosse eu membro do Olimpo e já teria decidido vazar chuvas que limpam o ar de poeiras e alimentam raízes. Dizem estarem a subir de Sul para Norte onde ardem hectares revestidos com bens vegetais, alguns deles que somente daqui a anos muitos adquirirão o esplendor por ora morto.  

 

Ao subir pela IP3, desviando o caminho em Coimbra, os montes e seus cumes à volta de Penacova e Penela estavam luxuosamente penteados com árvores de grande porte. Lá no fundo corre, apressado, o Mondego perdido por chegar à foz da Foz e fazer mistura com águas marítimas. Aldeias de ingénuo e belo casario debruçam-se sobre ele, bebem-lhe a vista e o fluir, oferecem detalhes dignos de qualquer mestre paisagista. Tomara pertencer me dom bastante para recriar a beldade inocente dos lugares que bordam margens do Mondego.

 

Olho pela vidraça e fruo dos pingos retidos. Olho a rua e fruo do alcatrão molhado. Olho ao alto e o cinza promete que o deleite continue. Fica alegre o espírito por afogar a saudade da chuva e pelo júbilo da terra.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 11:32
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds