Quinta-feira, 29 de Dezembro de 2011

SEM HISTÓRIA PROMETIDA

Peter Kindred, Emily Zasada

 

A tepidez. O escuro. A lassidão do primeiro gesto. Os olhos que se entreabrem. A fímbria de luz atrevida sob a porta. Pálpebras de novo descidas. Fruir do silêncio, da maciez dos lençóis, do sereno espertar. A coluna, os membros que dilatam e, no deslizar, devolvem energia a cada músculo. O estado de vigília acentuando a respiração. Como se célula a célula o dia acordasse. A doçura tranquila que anuncia a manhã.


Aberto à luz, o espaço caseiro é cenário afectuoso. Nada diz, mas conheço-lhe a precisão de respirar. Janelas abertas, o ar limpo devolve cor e lustro ao palco da minha intimidade. Mas é para o exterior que me viro. Para a morrinha da chuva. Para os verdes mansos e perenes que o Inverno não desfolha, apenas escurece o tom. Para o horizonte amplo. Para o vigor da frescura que a face reanima. O espírito, esse, ingere suculento pequeno-almoço por via da contemplação do parque, antes, espojado a meus pés.

Um aroma forte. Um café. Chávena verde lima na mão. Vapor cheiroso que inaugura o dia. Depois, bebericar. Suspensa a chuva miúda, a luz espevita, afasta a neblina espessa e surge o azul. O sol é tímido, mas como alterou as cores! Vivificou-as, devolveu-lhes brilho e à cidade desejo de acordar. Dia sem história prometida. No anonimato dos dias nada o lembrará. Porém, hoje é mais um na minha vida. Ontem, não sabia se o veria nascer. Se dele ficar memória boa para contar, melhor.

 

O putativo cambalacho dos Estados Unidos ao manipularem a saúde dos representantes maiores da América Latina adoecendo-os por via do cancro espanta. Ou não. Recordo o conto(?) de já nos países abrangidos pela finada União Soviética rolar a suspeita das «secretas» utilizarem guarda-chuvas com extremos de varetas aguçadas munidas de venenos biológicos - numa picada, eliminarem a saúde escorreita das vítimas. ‘Estórias’ ou História? Facto é o crescimento médio dos países latino-americanos oscilar entre três a quatro por cento. Os «States» definham e a Europa com eles. Certo é, no imediato, os madeirenses pagarem trinta euros por uma botija de gás cujo conteúdo não vale mais que meia dúzia de euros. Perguntou amigo informado nestas coisas do «economês» e «politiquês»: _ Qual o destino da impressiva diferença entre o pago e o custo real?

 

Se acrescer que a família Sebastião, pais, filhos e netos, espera tolerância do governo do Canadá onde vivem há dez anos com o estatuto de clandestinos para ali permanecerem ou segue hoje, directa, para Rabo de Peixe, duvido que lembranças adoráveis marquem 29-12-2011 no meu calendário. Solidariedade íntima e militante acarreta consequências.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 10:25
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (3) | favorito
Sexta-feira, 16 de Julho de 2010

ONDE É DESCRITA ‘LESBOUA’

Peter Kindred

 

Onde o Pirata-Vermelho descreve ‘Lesboua’ e contrapõe ao texto aqui publicado no dia 4 de Julho.

 

“Alto!

ontem esquecemo-se de detalhar o ambiente geral em que se vive na Lisboa propriamente dita, uma vez que para além do perímetro Restelo, Pontinha, Lumiar, Olivais é periferia sub-urbana e não é por terem ido abaixo meia dúzia de casas pequenas qu'a cidade ficou menos bonita - ganharam-se outras coisas.

Em Lisboa, abstraindo das casas sem luz, à noite, na parte central da cidade e dos pequenos amontoados de gente a dormir embrulhada em plástico e cartão canelado junto às paredes mijadas pelos cães - são pequenos mas são muitos - e abstraindo dos copos e garrafas de plástico no chão do bairro alto, das pipocas nos cinemas do corte inglés - e nos outros- da gente malcriada nos restaurantes, dos prédios horríveis da 5 de Outubro e da Av da República, dos túneis da Av de Roma e das transformações de alguns espaços públicos e encerramento ou vedação sine-die de outros... abstraindo disto, temos de facto jazz - de braga a loulé, passando por coimbra- nos jardins da Gulbenkian -também há casamentos... - e há espectáculos de rua, e animação de rua; há cinema americano; há amburgas, sardinh'assada, petiscos; há gajas - pouco refinadas mas gajas com entre-pernas-sem-pelos - há tudo!...

em Lisboa há tudo.

 

É tudo mau mas há tudo

e

kem é q disse q só o que há Estocolmo ou Paris é qé bom? Ou Roma...

Se calhar a cena dali das docas até é fatela não?!

Se calhar não curtias uma boa ali numa esplanada do Xiado, a murder as miudas ou se calhar não curtes o Museu do Xiado não...     

FOGO!           deves mazé ter a mania qés dótour...” 

 

CAFÉ DA MANHà 

 

publicado por Maria Brojo às 07:58
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (3) | favorito

últ. comentários

Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds