Segunda-feira, 24 de Junho de 2013

DESASTRES CULINÁRIOS DA MARIA REDIMIDOS PELA QUÍMICA

 

Mati Klarwein

 

Aos vinte anos exatos, era menina/mulher que inaugurava no cenário do casamento o papel de senhora dona de casa. A mãe e demais matriarcas haviam curado de preparar a única descendente nas artes domésticas por via do ver fazer (aulas teórico-práticas): como escolher e dobrar turcos, lençóis e demais roupa branca, como tirar nódoas difíceis (as manchas de «ferrugem» nos linhos eram as piores). As aulas práticas ficavam por conta da Lúcia que enfronhava a jovem na cozinha. Ora, a pequena mais interessada em leituras, pintura e nos estudos, cedo deu provas de total inépcia para a função. Mandada lavar batatas enquanto a Lúcia estendia roupa por categorias e pudor – cuecas e sutiãs do mulherio da casa de férias requeriam discrição adequada -, no regresso, veio encontrar a adolescente de escova de dentes em punho escarafunchando cada pedacinho dos tubérculos. Distinguir água fervente aprendeu em laboratório, e aproximado o casamento era suposto intensificar lições. Retorquia inevitavelmente que se dava conta dos protocolos laboratoriais na faculdade, semelhante aconteceria no seguir das receitas familiares organizadas em livro de cozinha que forrara a pano. Assim chegou ao estado adulto. Porém, briosa como era e após falhanços culinários notáveis mantidos incógnitos, ao celebrar um mês de casada, convidou os pais a virem de Coimbra para jantar que confecionaria: entradas, bacalhau espiritual, salada de couve coração e ‘bavaroise’. Entrou na cozinha com horas de antecedência. Tudo correu de feição até ao momento de ligar o forno a gás. Leu as instruções e a chama surgiu. Enfiou o pirex e, distraída com a preparação da couve, nem deu pelo finar da chama no forno. Conhecedora do perigo do gás orgânico em fuga, dominou eficazmente a situação. O pior era o gás absorvido pelo prato de substância. Deitou-o para o lixo e confecionou outro. Retomou a couve. Já na panela, teimava num verde desconsolado. Lembrou o «bicrabonato de sódio» como dizia a Lúcia. Do bicarbonato, uma pitada na cozedura. Nada de cor vibrante. Química como era, pensou:

_ Se com um sal alcalino não consigo, adicionando ácido fraco, o acético do vinagre, a coisa compõe-se.

Pensado e feito. Surpreendentemente, a couve ficou lilás. Mais bicarbonato. Couve amarelada. Mais vinagre. Couve roxa. O aspeto não era mau, o sabor exótico. Salada de falsa couve roxa fez sucesso durante a conversa animada sob o crepitar das velas, o espanto dos pais e do marido.

 

Afinal, o que fez a Maria à couve? _ Utilizou os princípios do equilíbrio ácido/base fazendo-o deslocar ora no sentido direto, ora no sentido inverso.

Sabendo que um ácido, segundo Arrhenius, produz em solução aquosa iões hidrogénio (H+) e uma base, também em solução aquosa, forma iões hidróxido (OH-), dá-se o equilíbrio aqui descrito na forma simplificada:

 

H+ (aq) + OH- (aq) ↔H2O (l)

 

Possuindo a água quimicamente pura pH (potencial hidrogeniónico/capacidade de libertar iões H+) igual a sete, está garantida a neutralidade. Ácida e alcalina (básica) em simultâneo através da neutralização:

 

H2O (l) + H2O (l) ↔ OH-(aq) + H3O+(aq)

 

O hidrogenião H3O+ surge pela pequenez do átomo de hidrogénio, o menor de todos os elementos químicos, que cedeu um eletrão para outra substância. Pelas forças elétricas geradas com a molécula da água, por exemplo, associa-se e é gerado o H3O+.

 

(...)

 

Nota: texto integral aqui.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 10:50
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
Domingo, 7 de Agosto de 2011

OLHAI AS FLORES NA E DA SERRA!

 

 

Começada a manhã, nuvens baixas ensombravam-na. Sem desânimo, que os nevoeiros serranos, de espessos e intempestivos , obrigam a condução precavida, continuou o projecto de trepar até onde apetecesse a subida da Estrela. Sussurro do motor em marcha lenta para melhor fruir, na «escalada», dos pertos e longes.

 

 

Oito quilómetros, não mais, para trás o tecto nublado. Céu limpo, faldas e cimos em planos multiplicados, janelas abertas prontas à entrada do ar leve. Mais à frente, dois mil metros somados, a primeira casa no lado oeste da montanha. Arquitectura típica semelhante às seguintes no lugar das Penhas Douradas. Pinheiros alpinos substituem os bravos como atrás e dali em diante. Granito imponente erodido pelas intempéries é mostra pequena doutros seguintes. Perdição do olhar obriga a interromper passeio. Por bandas aquelas, caminham pés diligentes acicatados pelo que nem é novo, mas retoma fantasias sugeridas pelos mistérios sempre renovados e escondidos nos cumes.

 

 

Após contemplação, corridas _ Quem chega primeiro, quem é? _ e risos  e afectos entretecidos com as belezas da paragem e na descida. Para quem desliza rente aos sopés, afiguram-se arvoredos diferentes, aldeias, Aldeias a primeira. Por dissonante do granito inteiro ou parcial em cada construção, o amarelo é ultraje. Convém ignorá-lo – pecados destes enxameiam o país. A curva dos montes sobranceiros protege a encosta no lado oposto à falda serrana.

 

 

Musgo ressequido tenta recolher alimento da base rochosa. Flores do campo, sem nome para os citadinos, imaculadas na brancura estabelecem fronteiras entre pinhais e terreno húmido. Quem garante não servirem, depois de secas, para tisanas ou panaceias receitadas e bem vendidas (impingidas) pelos curandeiros da zona?

 

 

Rocha ígnea, mistura sólida de feldspato, quartzo e mica, emolduram «sardinheiras» - chamam-lhes malvas noutras regiões – e cíclames também envasados. Os quadros aprazem quem passa e de distraído nada tem. Tanta cor nas pétalas suculentas para quem delas faz complemento gastronómico sugere estória real: há par de anos, os anfitriões dum jantar esmerado serviram aperitivos e mordiscadas diversas, entre elas, algumas entremeadas com pétalas frescas. Um dos convivas não esteve de modas fosse pela fome ou distracção: acabou mastigando o pot-pourri na taça ao lado.

 

 

Rosas e hortênsias, a flor oficial da pequena cidade serrana, crescem e enfeitam recantos assim haja sombra e água. A cor decidida pela composição do solo – se alcalino, a variedade é rosa, se ácido o pH, é azul o colorido. Venenosas, quem diria da inocência estampada? Culpadas de sofrimentos físicos conducentes ao coma. Provado é que a beleza pode encobrir malfeitorias.

 

 

Buganvílias, típicas de quenturas, aparecem de quando em vez. Forram muros e dependuram-se em paredes. Contaminação vegetal num país minorca que muito vale e arrebita o orgulho de ser português.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:48
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (5) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds