Segunda-feira, 28 de Julho de 2014

FEITIÇO INTEMPORAL: O EROTISMO

 

Gustave Courbet – “Woman in White-Stockings”, c_1861               “Victorian Girl on Beach” – William Bouguereau, c_1825-1905”

 

No mundo ocidental, o conceito de erotismo foi e é associada a tabus – constatação à risível maneira de Monsieur de La Palisse*. A nudez feminina domina a arte erótica ao ser, maioritariamente, executada por homens. Nu pictórico desapaixonado é raridade. A nudez total ou insinuada, quer em idos remotos quer na atualidade, incendeia os sentidos. Que assim seja até ao final dos tempos!

 

O fascínio pela arte erótica atemorizou a civilização dita «judaico-cristã»: censurou  a sexualidade explícita na arte e velou o respetivo poder erótico. Resultado antagónico: incrementou o interesse por esta categoria da pintura, ainda que condenado socialmente. Outras religiões consideraram o prazer sexual como parte importante do culto – são exemplo as aventuras sexuais dos deuses e deusas em textos sagrados. O cristianismo não é uma religião sexual. Jesus, compassivo perante a união dos sexos, foi derrotado pela poderosa intolerância de São Paulo.

 

O clero, enquanto importante patrono das artes até ao século XVIII ocidental, manifestou profundo afeto pela pintura e escultura; originou inconfundível tradição artística na qual o conteúdo erótico de muitas obras foi apresentado de forma implícita ou codificada. Igrejas de toda a Europa, na maioria destruídas por degradação ou refregas, expunham retábulos eróticos (…)

 

(…) *Historieta a propósito de Monsieur de La Palisse. É conto que os soldados de La Palisse, ao ilustraram o comprovado arrojo do marechal caído nos campos de Pavia (1525), engendraram  canção em memória do destemido oficial. Nela, constava a estrofe seguinte:

"Hélas, La Palice est mort,

Est mort devant Pavie;

Hélas, s’il n’était pas mort,

Il ferait encore envie."

 

Segundo a lenda(?), terá sido responsável pela deturpação (…)

 

Nota – Texto integral aqui.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 09:06
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (4) | favorito
Domingo, 16 de Dezembro de 2012

PRÉ NATAL, DESIGN, PINTURA, "MODERN POP ART" NA BEIRA-RIO

 

 

Respira o Natal. As mil luzes são homenagens dos terrenos a um tempo que a muitos faz sorrir, esquecer sortido de misérias onde milhões de gentes rebolam, perdida vida digna.

 

 

 

O design dos objetos inspira conforto e quentura nos corpos que dele se servem. Ali, à beira-rio, a neblina esconde o fluir do Tejo rabino pelo vento do dia, há tranquilidade. Silêncio como bem maior.

 

 

 

A pintura forro duma parede sugere alegria pelo colorido da paleta. Não fere porque inserida em recanto neutro nos tons. Do espetro das luzes visíveis, quase todas presentes na saudação a quem chega.

 

 

Na largueza do espaço, exposição. Perdida a fotografia onde figurava o nome do autor de tanta beleza e qualidade.

 

 

 

À saída, mural com dimensão impressiva. A Modern Pop Art como estilo pictórico, a cerâmica como suporte. Impossível não haver detença perante a extraordinária variedade cromática saída da mufla. O brilho do vidrado ilumina passantes. Moldura: neblina sebastiânica.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

Texto corrido

 

          Respira o Natal. As mil luzes são homenagens dos terrenos a um tempo que a muitos faz sorrir, esquecer sortido de misérias onde milhões de gentes rebolam, perdida vida digna.

          O design dos objetos inspira conforto e quentura nos corpos que dele se servem. Ali, à beira-rio, a neblina esconde o fluir do Tejo rabino pelo vento do dia, há tranquilidade. Silêncio como bem maior.

          A pintura forro duma parede sugere alegria pelo colorido da paleta. Não fere porque inserida em recanto neutro nos tons. Do espetro das luzes visíveis, quase todas presentes na saudação a quem chega.

         Na largueza do espaço, exposição. Perdida a fotografia onde figurava o nome do autor de tanta beleza e qualidade. À saída, mural com dimensão impressiva. A Modern Pop Art como estilo pictórico, a cerâmica como suporte. Impossível não haver detença perante a extraordinária variedade cromática saída da mufla. O brilho do vidrado ilumina passantes. Moldura: neblina sebastiânica.

publicado por Maria Brojo às 07:23
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds