Quinta-feira, 9 de Abril de 2015

A NOVA NORMALIDADE

Syrian refugee kids.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autor que não foi possível identificar

 

 

 

"Quando foram conhecidos os dados sobre a pobreza repetiu-se um clamor — somos um país demasiadamente desigual e com níveis de pobreza chocantes. Tende a ser assim todos os anos, aquando da divulgação do inquérito aos orçamentos familiares. Mas esse clamor esvanece-se com a mesma rapidez com que surge.

 

 

(…)

 

 

Recuámos, aliás, dez anos. Temos valores para a pobreza do início do século XXI e os progressos feitos foram desperdiçados. Inverteu-se o ciclo de diminuição da pobreza e o “mexilhão” pagou o ajustamento. Ora, é bem mais difícil combater a pobreza do que fazê-la crescer e os efeitos do que se passou são impressivos. Se recorrermos ao indicador de pobreza ancorada, que permite neutralizar o efeito do empobrecimento generalizado e revelar quem é que seria pobre considerada a linha de pobreza de 2009, de uma taxa de pobreza de 17,9%, quatro anos passados, temos uma taxa de 25,9%. São 800 mil portugueses mais que saíram da zona de algum conforto material.

 

 

 

Fica assim demonstrado o efeito devastador da austeridade. Destrói tudo à sua passagem e diminui efetivamente as condições de formação de uma sociedade decente.

Mas o que mais impressiona não é a fotografia, nem mesmo a curta-metragem que dá conta da forma como evoluíram os rendimentos em Portugal. Estamos perante um daqueles problemas em que vamos ter de aguardar pelo médio prazo para assistir à manifestação dos riscos em toda a sua plenitude. E não vai ser bonito de se ver.

 

 

 

Não há, a este propósito, indicador que nos interpele tanto como sociedade como o da pobreza infantil. Qualquer político que ambicione ter responsabilidades governativas, devia ter um papel à sua frente para lhe recordar todos os dias que, em 2013, uma em cada quatro crianças é pobre (um valor que subiu mais do que qualquer outro). Não se trata apenas de uma estatística. É, pelo contrário, uma arma de destruição de qualquer reforma estrutural.

 

 

 

Um quarto das crianças portuguesas não reúne as condições para cumprir o que a Constituição prevê: direito a cuidados de saúde, a educação, a alimentação e habitações condignos. Na pobreza tudo isso falta e não custa imaginar o país que teremos daqui a décadas com os níveis de pobreza que hoje temos entre as famílias com crianças.

 

 

 

Aceitar como se fosse uma nova normalidade a sociedade de pobres e de desigualdades é uma ameaça hoje, mas é, acima de tudo, a forma mais eficaz de hipotecarmos o futuro."

 

 

Pedro Adão e Silva, in Expresso

 

 

Nota – Fonte aqui.

 

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

 

publicado por Maria Brojo às 08:00
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
Sexta-feira, 18 de Dezembro de 2009

A PESCA DA CANA


Stan Ekman

 

Resolver a pobreza extrema. (Re)pensar os sem-abrigo. Penalizar como “crime contra a humanidade” a riqueza escandalosa. Valorizar a partilha - prazer mais do que obrigação sem que, pela dádiva, inche o umbigo individual. Dar cana e ensinar a captura dos peixes. Ler a miséria extrema advinda do analfabetismo social como herança perpetuada nas gerações.
 
Nos primórdios do Subsídio de Reinserção, foi produzido algum bom trabalho de casa e no terreno. Visitas regulares dos especialistas aos beneficiários do subsídio promoveram hábitos saudáveis nas relações familiares e na postura social. Crianças foram melhor alimentadas, incentivadas a melhorar o desempenho na escola; pais optaram por caminhos atentos às condições reais. Saiu valorizado o espírito de família. Da comunicação. Da sensatez.
 
 As actuais condições deste extremo da Europa fronteiro ao Atlântico há muito não justificam tamanha mancha de pobreza extrema. Todos somos co-responsáveis. Neste «particular», a acção governativa tem sido ineficaz, apesar de intervenções pontuais. Sementes largadas não cresceram – a modorra recolheu-as e a miséria de espírito ganhou. Outras ergueram árvores com frutos bons. Acredito na possibilidade de ser feito mais e melhor. Tem de existir – pousar nos maus-costumes é descaminho que a Portugal e ao mundo não convém.
 

CAFÉ DA MANHÃ

 

Importa aceder aqui. O Jorge surpreende e bem!

 

 

publicado por Maria Brojo às 09:10
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (7) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds