Domingo, 19 de Abril de 2015

A MÚSICA NA CASA DO PORTO

ng4120806.jpg

ng4120807.jpg

ng4120808.jpg

ng4120815.jpg

ng4120816.jpg

ng4120823.jpg

 

ng4120826.jpg

 

ng4120837.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ng4120833.jpg

ng4120832.jpg

ng4120829.jpg

ng4120825.jpg

publicado por Maria Brojo às 08:00
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
Segunda-feira, 15 de Dezembro de 2014

10 INFORMAÇÕES (IN)ÚTEIS?

Antony_and_Cleopatra_by_Elf_Fin.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Antony and Cleopatra” by Elf Fin

 

Cleópatra viveu mais perto da construção da grande pirâmide de Gizé ou da fundação da Pizza Hut?

A grande pirâmide de Gizé foi construída por volta de 2560 antes de Cristo enquanto que a cadeia de fast-food Pizza Hut foi fundada em 1958; a rainha egípcia Cleópatra viveu 500 anos mais próximo da fundação da cadeia de fast-food Pizza Hut.

 

 

Qual a rua mais pequena da cidade do Porto?

Com cerca de 30 metros, a rua Afonso Martins Alho é a mais pequena da cidade do Porto. A pequena artéria recebeu o nome de um dos personagens mais influentes da idade média na cidade, o famoso Alho que deu origem à expressão «fino como um alho».

 

 

Qual a origem do nome Bluetooth?

O nome da tecnologia sem fios Bluetooth baseou-se no cognome do rei dinamarquês Harald Gormsson que, supõe-se, teria um dente escurecido e por isso era conhecido por Harald Bluetooth.

 

 

Por que é que três ruas do Soho, no centro de Londres, foram evacuadas?

Em Outubro de 2007, a polícia e os bombeiros evacuaram três ruas do Soho, em Londres, depois de detetarem um fumo tóxico que os levou a emitir um alerta de ataque terrorista biológico; afinal o fumo vinha das panelas de um restaurante tailandês que preparava Nam Prik Pao, um molho picante.

 

 

Porque é que o vencedor da primeira “Volta a França" foi desclassificado na segunda edição da prova?

Maurice Garin, o ciclista que venceu a primeira edição do "Tour" em 1903, foi desclassificado na edição de 1904 por ter feito parte de uma etapa de comboio.

 

 

Quem está a recuperar a frota do pirata Capitão Morgan?

A recuperação da frota do famoso pirata galês Capitão Morgan, naufragada ao largo do Panamá, está a ser feita por investigadores da Universidade do Texas com financiamento da marca de rum Capitão Morgan.

 

 

Qual o animal nacional da Escócia?

O animal nacional da Escócia é o Unicórnio que, tal como o monstro da Lago Ness, não tem qualquer evidência de existência real.

 

 

O que ganhou Niels Bohr para além do Prémio Nobel?

Depois de vencer o prémio Nobel da Física, o dinamarquês Niels Bohr ganhou o direito de viver numa casa oferecida pela empresa cervejeira Carlsberg, mesmo ao lado da fábrica, em Copenhaga, até ao fim dos seus dias.

 

 

Onde é que os patrões gostam de ver os funcionários a dormit durante o expediente? 

No Japão é socialmente aceitável dormir durante o expediente; de acordo com diversos estudos, os trabalhadores japoneses são os que dormem menos horas durante a semana de trabalho e, as sestas durante o horário laboral, são encorajadas pela entidade patronal com o objetivo de aumentar a produtividade.

 

 

Quanto custa deixar de ser norte-americano?

Renunciar à cidadania norte-americana custa 2 mil 350 dólares; em 2013, 3 mil pessoas deixaram de ser norte-americanos, o que rendeu aos cofres federais pouco mais de 7 milhões de dólares. A cantora Tina Turner foi o norte-americano mais famoso que o deixou de ser.

 

 

Qual a capital mais próxima de Lisboa?

Em linha reta, a capital mais próxima de Lisboa é Rabat, em Marrocos.

 

 

Nota – Fonte aqui.

 

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

 

 

 

 

publicado por Maria Brojo às 11:01
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (5) | favorito
Segunda-feira, 3 de Novembro de 2014

MULTAS DE TRÂNSITO E CARREIXEDE

Will Enns 1.jpg

Chris Palmen retiredtruck1_lowres.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Will Enns                                                                                             Chris Palmen – “Retired Truck”

 

 

Receber notícia de multa é comum. Por via postal, arribam notícias maioritariamente dispensáveis: saque por via de faturas, finanças, autarquias e infrações de trânsito. Uma houve que me localizava no Porto, Rotunda da Boavista, estando à data pousada numa magnífica cidade europeia. Multa que paguei - evitar a canseira de provar que o veículo em questão dormia na garagem onde o encontrei intocado, valia, à época, os contos de réis.

 

 

História, quase simultânea com a minha, publicada num jornal sendo o veículo em causa um trator português que infringira o Código da Estrada nas “terras de sua majestade”. O trator jamais vira mundo para lá de Carreixede sob o olhar atento, suponho, do dono, agricultor honrado. Lido de revés o papel, o homem presumiu que algum dos filhos tivesse andado na maroteira. Mas não. Leu melhor. Os rapazes, ainda que pudessem ter escapulido para ir à vila montados no trator catrapiscar miúdas, beber uns copos, mostrar que se tinha mãos para aquilo para o resto não faltariam, à Inglaterra não chegavam na presumida sortida noturna. Dos moços, o testemunho: que não, nem à vila foram e da ilha não se lembrariam sabendo como água atasca motor num ai. Além do mais, por explicar regresso no alvorecer. O pai cofiou a barba, meditou, coçou a cabeça e concluiu: _ Aqui há caso!”

 

 

Este fait divers lembrou-me outro em que o envolvido foi amigo que prezo. Dobrando limites de velocidade na A1, foi lobrigado pelo radar. A multa veio pelo correio como a do outro e a minha. Nem pensou duas vezes: sabendo a multa pesada e a carta numa gaveta burocrata, afirmou que o carro era dele, sim, mas quem o conduzia fora um italiano como quem na altura negociava. E dormiu descansado na presunção da multa ocupada num vai-não-vai sem retorno. Meses passados, na demora do processo não se equivocara, recebeu convocatória para se deslocar à esquadra. Reviu pecadilhos recentes, nada de grande monta, e foi em relativo sossego, que nisto de polícia e fisco só a distância é segura. Ficou pasmo: a polícia italiana fora a casa do suposto condutor e o homem, boquiaberto, logo ali provou estar nessa altura em Itália. E o polícia para o meu amigo: _ Com que então era o outro? E o senhor onde estava? «A águas nas Caldas»?

 

 

Hoje, imagens razoavelmente certeiras permitem à polícia identificar o veículo e quem o conduz. Tempos houve, em que apenas servia de prova a matrícula. À conta disto, um colega interpelado por notificação de excesso de velocidade exibiu a carta da mãe, senhora de provecta idade. Na esquadra, exclamou:

_ Estou farto de dizer à minha mãe que não ande pra aí a assapar às 4 da manhã!

Risota geral. Preservou a carta deixando a da senhora que nem lembrava como manejar um volante.

 

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 10:59
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
Sábado, 14 de Junho de 2014

RIBEIRA NEGRA

"Ribeira Negra, Júlio Resende

 

Texto de Eugénio de Andrade sobre o painel "Ribeira Negra" de Júlio Resende.

 

"Agora vinde cá, que vos quero dizer uma coisa. Como sabem, o grande cronista desta terra foi Camilo Castelo Branco, esse diabo, que não é tão feio como o pintam. Mas depois de Camilo vieram outros: o Ramalho, que era um homem de respeito, o Raul Brandão, que tinha um olho muito fino para os pescadores da Foz e para aquele mar, e já nos nossos dias, a Agustina, que fala do Porto ora com azeda melancolia ora com incomparável sedução. Mas a cidade tem outro cronista admirável, em que se não repara tanto por não se servir de palavras. É de Júlio Resende que estamos a falar. Agustina e Resende são em rigor contemporâneos, mas o olhar inquisitoriamente poético de ambos contempla realidades muito diferentes. O mundo que despertou o interesse da romancista é o da burguesia decadente, o da aristocracia rural, com algumas incursões às esferas da finança e da política; ou seja, um mundo pelo qual a pintura de Resende tem um soberano desprezo.

 

A gente a que o pintor sempre procurou dar corpo e alma, e que lhe sai ao caminho mal pega no lápis e no pincel, é aquela a que Fernão Lopes chamou arraia-miúda. Isto, que nunca passou despercebido àqueles que seguiram empenhados a sua obra, tornou-se pura evidência a todos quantos tinham olhos na cara a partir de Ribeira Negra, o magnificente historial da miséria e da grandeza da população ribeirinha do Porto, exposto pela primeira vez em 1984, no Mercado Ferreira Borges.

 

Há uma brutalidade nesta pintura, digamo-lo sem qualquer hesitação; brutalidade que consiste em obrigar-nos sem trégua a pensar que o homem é o mais mortal dos animais, que o seu corpo não cessa de ser corroído pela lepra do tempo, que o esplendor da sua juventude se converte com facilidade na mais grotesca paródia de si próprio, que tudo nele está inexoravelmente votado à morte.

 

Com mão aérea e certeira, o pintor, uma vez mais, povoou essa centena de metros quadrados de grés com as suas visões líricas ou dramáticas: crianças, mulheres, adolescentes, animais repartem entre si o espaço e o ritmo, a cor e a luz da sua cidade, com um lúcido ardor que é o outro nome da sabedoria. Posso garantir-vos que desde os seus primeiros trabalhos,* toda esta figuração, vinda do mais rasteirinho da terra,** estava destinada a ascender pela sua mão a essa suprema dignidade que só a arte confere. Eu creio que o que se faz aqui é mais do que perpetuar o rosto de uma cidade, de um país – é dar, apesar de tudo, algum sentido à vida."

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 06:52
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
Terça-feira, 1 de Abril de 2014

GAIATOS E "QUIM MAU"

 

 

Trabalhou desde cedo. No comércio, até aos 36 anos. Escutado o íntimo e pelas andanças da vida, ordenado sacerdote aos 41. Foi escritor. Publicou “Pão dos Pobres”, “Ovo de Colombo”, “Obra de Rua” – ex-líbris o Quim Mau, garoto de braços abertos para amor desejado próximo. Arrojado, o Padre Américo fundou a Casa do Gaiato. Exíguos recursos para a ambição de fazer de crianças despegadas, homens dignos. Entrava nos hotéis, se de luxo melhor, estendia a capa e proclamava: _ “Depositem dinheiro porque os meus rapazes precisam de sustento, de educação e futuro desde o presente.” E os hóspedes depositavam quantias. Não chegando, exigia mais - pagando alojamento caro, uma carcaça por rapaz abrigado não seria diferença que aliviasse por aí além os bolsos dos hóspedes. Foi Igreja até 1956. Arrebatou-o acidente de viação em S. Martinho do Campo, concelho de Valongo. A obra, essa, expandiu-se.

 

No Porto, plantada no jardim do coração urbano sito na Praça da República, estátua em bronze de Henrique Moreira feita em 1959, inaugurada em 1961. Lembra Homem e ação. Memória bondosa. Sempre com flores na base. Devoção das prostitutas que negoceiam momentos do corpo e da noite. Como o Quim Mau, famintas do que lhes falta.

 

Nota – “Hoje, as cinco Casas do Gaiato (mais duas em Angola e uma em Maputo), com onze padres, continuam a ter preocupações distintas dos asilos da época em que foram criadas. E continuam todas com o portão de entrada sempre aberto. Um portão por onde já entraram mais de 12 mil gaiatos (as saídas foram menos de dez por cento) e que atualmente é a porta de casa para 600 crianças e jovens.”

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 10:14
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
Segunda-feira, 9 de Dezembro de 2013

O "GRANDE RÚSTICO" E A "GRANDE ALFACE"

 

  

Samuel Bak

 

Amar o Porto não é para qualquer um. Requer berço ou prolongado viver. Pressentir o aroma das bouças meada a distância de Aveiro para cima. Conhecer do Porto os verdes e azafamados arrabaldes rurais. Ter aprendido a gostar da exaltada frialdade marítima, do cheiro a maresia e da morrinha na face. Guardar o sabor das rabanadas degustadas em pleno estio na pensão anónima para as bandas de São Bento. Ler no granito a luz que ao céu parece fugir. Em cada pedaço de mica e feldspato ouvir o orgulhoso testemunho de por ali ter dealbado a nação que da cidade contêm o nome. Pressentir a luxúria no donaire das mulheres que nas calçadas tecem enredos com o pisar dos tacões. Saber ao lado a Lello, o Majestic e a Foz. Cidade com vinho a que emprestou o nome e pelo mundo afaga palatos.

 

Olhando de baixo para cima, que é como quem diz da “Grande Alface” para a Invicta, é estranhado o labor, a austeridade parda e o falar. Envaidecidos pela ausência de sotaque, garantem ser falado em Lisboa o português comum, enquanto no “Grande Rústico” – assim os «alfacistas»* veem o Porto – são trocadas letras entremeadas com palavrões. Sei de um lisboeta que pela profissão foi “desterrado” para o lugar onde li começar o Sul. Testemunhou: “Nunca me habituei ao falar à moda do Porto. Não padeço de snobeira, apenas em Lisboa não se fala assim. Enquanto andei lá em cima, todos os natais saiamos de carro, eu e o meu chefe de vendas, para presentear com cifrões os polícias-sinaleiros. Como ele falava com os polícias!... Indescritível. Em Lisboa, ia preso no início da primeira frase - Ó meu cab... toma lá uma prenda aqui do doutor; compra um casaco de peles à tua mulher pra ela não ter que sair à noite! O polícia respondia: «Oh seu Moreira, obrigado, muito obrigado e deixe lá que eu não tiro o olho daquela pu....!»”

 

Um lisboeta jamais entenderá a força do peculiar dizer: "vê se micas por aí o picheleiro e manda-o à loja das miudezas antes que desatine com este moinas que me perdeu a chave do aloquete!"

 

Havendo a precisada campanha eleitoral agora, importa a tendência do voto das peixeiras dos mercados do Bolhão e de Matosinhos. Sabendo-as capazes de rachar um cavaco ali mesmo, os políticos engomados e «branquelas» saídos dos gabinetes assépticos de onde olham o país, “vêem-se à brocha**” com elas. Temem o corpo-a-corpo e o bate-boca com mulheres aguerridas que o dia «alevanta» pela quatro da manhã. Tanto lhes podem estalar o esqueleto no aperto dos abraços, como atirar-lhes ao fato Boss o chicharro ensanguentado da véspera.

 

Os candidatos da «estranja» sabem lá o que é a dureza dumas eleições à portuguesa!... O Obama dividiria reações por ter interrompido a primeira campanha à presidência para visitar a avó doente no Havai. A mais provável seria: “Ai que o meu rico (...)

 

Nota: há minutos, texto publicado aqui.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:38
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
Quarta-feira, 28 de Dezembro de 2011

DO PORTO A VIANA

Anne Bascove

 

Recebi, muito agradeço, texto anotado: “_ É breve, simples e bem escrito, deixando o assunto descrito, comentado e criticado.” Concordo; daí a publicação.

 

“Sexta-Feira passada fui a Viana do Castelo e utilizei a A28 do Porto a Viana. Pelo caminho atravessei uns quantos pontos anunciados como portagem electrónica/electronic toll e umas luzes laranja intermitentes anunciavam que eu estava a ser devidamente registado como utilizador pagador. Sem saber bem como aquilo funcionava, continuei o meu caminho, accionando as tais luzes à medida que prosseguia a viagem.

À chegada à cidade perguntei a um amigo com quem almocei como é que aquilo funcionava, qual seria o procedimento, se a via verde era o suficiente, se era necessário fazer um pagamento diferenciado, confessei a minha ignorância. O meu amigo perguntou-me se eu me estava a referir aos «caganissos»... à minha pergunta «cagaquê»? Ele repetiu: «Caganissos, aquelas luzes que piscam à nossa passagem». Acontece que nesta parte do diálogo entrou uma terceira personagem e a conversa ficou por ali. Uns minutos mais tarde e porque se proporcionou, voltei à carga e tentei perceber o funcionamento das tais portagens electrónicas. A personagem recém-chegada perguntou: «Estão a falar dos caganissos?» Aí não resisti e perguntei que diabo de nome era aquele. Ao que ambos me responderam, com a maior naturalidade que «são os caganissos, ou seja, caga nisso, não te chateies que ninguém liga e eles estão entupidos com milhares de cobranças a enviar para os endereços dos donos das viaturas pelo que o melhor era mesmo cagar naquilo».

Percebi duas coisas. A facilidade com que pomos o nosso reconhecido humor ao serviço do nosso reconhecido défice de cidadania e a competência dos nossos responsáveis em adoptarem caminhos e procedimentos conducentes a essa mesma falta de cidadania. Sistemas complexos, confusos, luzinhas que piscam, falta de informação conveniente, pagamento a posteriore em pay shop, maquinetas que podem ser compradas nos correios, carregamentos com quantias mínimas quase sempre superiores à despesa da viagem de um dia e consequente notificação para a residência na falta de pagamento ao quinto dia após a viagem. Percebi ainda, ou tentei perceber, como é que um galego que lhe apetece ir ao Porto via Viana vai a um pay shop pagar uma dívida de cerca de €9, aos correios comprar uma maquineta ou como é que ele é notificado na falta de pagamento ao quinto dia.

Percebi, assim, com propriedade, a razão dos «caganissos» se chamarem «caganissos». Porque realmente parece que toda a gente se caga naquilo.”

 

in

http://copiaperfeita.blogs.sapo.pt/1673310.html 

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:23
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (3) | favorito
Sexta-feira, 23 de Setembro de 2011

“RIBEIRA NEGRA”, “A CIDADE DE GARRETT”

Júlio Resende

 

Homenagear o pinto Júlio Resende anteontem falecido e, em simultâneo, Eugénio de Andrade é o meio escolhido para hoje celebrar oito anos de SPNI. Desde o início, duas vertentes caracterizam este espaço: escrita e pintura. Não planeando torcer o caminho, agradeço a todos os leitores e comentadores o favor de passarem por aqui e dalguns haver registos.

 

A propósito do mural cerâmico Ribeira Negra de Júlio Resende escreveu Eugénio de Andrade:

 

_ “Agora vinde cá, que vos quero dizer uma coisa. Como sabem, o grande cronista desta terra foi Camilo Castelo Branco, esse diabo, que não é tão feio como o pintam. Mas depois de Camilo vieram outros: o Ramalho, que era um homem de respeito, o Raul Brandão, que tinha um olho muito fino para os pescadores da Foz e para aquele mar, e já nos nossos dias, a Agustina, que fala do Porto ora com azeda melancolia ora com incomparável sedução. Mas a cidade tem outro cronista admirável, em que se não repara tanto por não se servir de palavras. É de Júlio Resende que estamos a falar. Agustina e Resende são em rigor contemporâneos, mas o olhar inquisitoriamente poético de ambos contempla realidades muito diferentes. O mundo que despertou o interesse da romancista é o da burguesia decadente, o da aristocracia rural, com algumas incursões às esferas da finança e da política; ou seja, um mundo pelo qual a pintura de Resende tem um soberano desprezo.

 

A gente a que o pintor sempre procurou dar corpo e alma, e que lhe sai ao caminho mal pega no lápis e no pincel, é aquela a que Fernão Lopes chamou arraia-miúda. Isto, que nunca passou despercebido àqueles que seguiram empenhados a sua obra, tornou-se pura evidência a todos quantos tinham olhos na cara a partir de Ribeira Negra, o magnificente historial da miséria e da grandeza da população ribeirinha do Porto, exposto pela primeira vez em 1984, no Mercado Ferreira Borges.

 

Há uma brutalidade nesta pintura, digamo-lo sem qualquer hesitação; brutalidade que consiste em obrigar-nos sem trégua a pensar que o homem é o mais mortal dos animais, que o seu corpo não cessa de ser corroído pela lepra do tempo, que o esplendor da sua juventude se converte com facilidade na mais grotesca paródia de si próprio, que tudo nele está inexoravelmente votado à morte. É uma crueldade, é certo, mas a compensá-la há também em Resende uma infinita piedade por estas criaturas cobertas de farrapos, quase sempre mulheres envelhecidas muito antes de serem velhas, porque tudo lhes faltou excepto o mais amargo da vida, e a quem também coube em sorte, apesar de tudo, semear a terra da alegria.”

 

Em A Cidade de Garrett, Fundação Eugénio de Andrade, 1993

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:22
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (3) | favorito
Recomendo:

Exposição de Artes Plásticas - Conceito

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

últ. comentários

Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(
Curta as férias querida...Beijos
ABANDONODAVID MOURÃO FERREIRAPor teu livre pensame...
Ainda?Isso aí no Inverno é gelado ;-)

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds