Segunda-feira, 4 de Novembro de 2013

JÁ NÃO HÁ PROVÍNCIA?

 

William Henry Chandler

 

Stephen Lyman - Moonfire

 

Da “Globalização” é dito ter uniformizado usos e costumes; assemelhar o que antes era diverso no mundo rico, porque ao pobre pouco ou nada acrescentou. Subtraiu, dizem muitos. Contraponho a divulgação de martírios que sem os cabos óticos e satélites  – veículos essenciais - continuariam restritos às vítimas. “Globalização”, em si, não é um mal. O que com ela é feito, isso sim!, pode acarretar mais-valias ou empobrecimento dos seres, do ambiente, do planeta em geral.

 

Quem longe de Lisboa passa temporadas e atenta nos redores encontra substantivas mudanças nas urbes e nas gentes. Analisando de fora para dentro, sobressai o cuidado das autarquias no asseio, na preservação e melhorias arquitetónicas. É ido o tempo das latas velhas nas lixeiras de beira da estrada, dos casebres, da vil decadência dos lugares. Há rotundas, sim, demasiadas, mas estão ajardinadas e as valetas limpas. É certo que as moradias, quanto mais expostas a quem passa melhor!, empatam a circulação viária – estendendidos os vilarejos pelas bordas dos acessos, o limite de cinquenta horário é tormento nas retas preguiçosas.

 

Onde antes era “terra de ninguém”, agora, existem infraestruturas de apoio social. Abundam pavilhões gimnodesportivos, centros de saúde – alguns, raros, qualificados humana e tecnologicamente -, atividades culturais, museus, galerias de arte, abertura dos autarcas aos apelos e necessidades dos cidadãos. A economia tem polos disseminados. Os bens produzidos e as matérias-primas circulam sem atropelos pelas «As» e «IPs». A empobrecida rede ferroviária, todavia, serve com dignidade e conforto quem por carris escolhe circular. Os autocarros encontram-se à mão de quem semeia e quer colher. As distâncias encurtaram e destes factos não há que duvidar.

 

No estar das gentes existem as diferenças maiores com os centros cosmopolitas – o duo Lisboa/Porto pontifica neste particular. A afabilidade, traduzida ou não em saudações, o polimento, arranjo na imagem, o “falar com” e o espírito hospitaleiro são tesouros dos meios rurais. A solidariedade tem rosto e nome. A vigilância (mesquinha?) da vida alheia tem contrapartida a lembrar: se «fulano de tal» falta à leitura do jornal no café do centro, logo alguém lhe bate à porta para confirmar se a saúde não pregou indesejada partida. É necessária ajuda em casa ou fora dela? Não faltam préstimos.

 

O “Portugal profundo” que enche a boca daqueles cujos interesses obscuros(?) o convocam, está cada vez mais fundo. Se pelo conceito evasivo forem entendidas áreas remotas de pobreza e desproteção, a mancha que ocupam e houvera diminuído, aumentou.

 

Ao falarmos da «província» com ar displicente, por fineza, dobremos a língua. Com ela muito temos a aprender.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 09:54
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds