Segunda-feira, 3 de Novembro de 2014

MULTAS DE TRÂNSITO E CARREIXEDE

Will Enns 1.jpg

Chris Palmen retiredtruck1_lowres.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Will Enns                                                                                             Chris Palmen – “Retired Truck”

 

 

Receber notícia de multa é comum. Por via postal, arribam notícias maioritariamente dispensáveis: saque por via de faturas, finanças, autarquias e infrações de trânsito. Uma houve que me localizava no Porto, Rotunda da Boavista, estando à data pousada numa magnífica cidade europeia. Multa que paguei - evitar a canseira de provar que o veículo em questão dormia na garagem onde o encontrei intocado, valia, à época, os contos de réis.

 

 

História, quase simultânea com a minha, publicada num jornal sendo o veículo em causa um trator português que infringira o Código da Estrada nas “terras de sua majestade”. O trator jamais vira mundo para lá de Carreixede sob o olhar atento, suponho, do dono, agricultor honrado. Lido de revés o papel, o homem presumiu que algum dos filhos tivesse andado na maroteira. Mas não. Leu melhor. Os rapazes, ainda que pudessem ter escapulido para ir à vila montados no trator catrapiscar miúdas, beber uns copos, mostrar que se tinha mãos para aquilo para o resto não faltariam, à Inglaterra não chegavam na presumida sortida noturna. Dos moços, o testemunho: que não, nem à vila foram e da ilha não se lembrariam sabendo como água atasca motor num ai. Além do mais, por explicar regresso no alvorecer. O pai cofiou a barba, meditou, coçou a cabeça e concluiu: _ Aqui há caso!”

 

 

Este fait divers lembrou-me outro em que o envolvido foi amigo que prezo. Dobrando limites de velocidade na A1, foi lobrigado pelo radar. A multa veio pelo correio como a do outro e a minha. Nem pensou duas vezes: sabendo a multa pesada e a carta numa gaveta burocrata, afirmou que o carro era dele, sim, mas quem o conduzia fora um italiano como quem na altura negociava. E dormiu descansado na presunção da multa ocupada num vai-não-vai sem retorno. Meses passados, na demora do processo não se equivocara, recebeu convocatória para se deslocar à esquadra. Reviu pecadilhos recentes, nada de grande monta, e foi em relativo sossego, que nisto de polícia e fisco só a distância é segura. Ficou pasmo: a polícia italiana fora a casa do suposto condutor e o homem, boquiaberto, logo ali provou estar nessa altura em Itália. E o polícia para o meu amigo: _ Com que então era o outro? E o senhor onde estava? «A águas nas Caldas»?

 

 

Hoje, imagens razoavelmente certeiras permitem à polícia identificar o veículo e quem o conduz. Tempos houve, em que apenas servia de prova a matrícula. À conta disto, um colega interpelado por notificação de excesso de velocidade exibiu a carta da mãe, senhora de provecta idade. Na esquadra, exclamou:

_ Estou farto de dizer à minha mãe que não ande pra aí a assapar às 4 da manhã!

Risota geral. Preservou a carta deixando a da senhora que nem lembrava como manejar um volante.

 

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 10:59
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds