Segunda-feira, 4 de Maio de 2015

SOBREIROS, CASCAS E ROLHAS

David R. Darrow uncork.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

David R. Darrow – “Uncork”

 

 

Uma questão de casca e habilidade. Da importância da casca que cobre o encascado, não sobra a dúvida. Há cascas e... cascas. A que protege, a que envolve, a casca polida das gentes, baça ou riscada por má sorte ou indiferença. A primeira abrigou gestação e infância, a segunda é rede que dá alento e segura, a última é a que mais se altera e exibe - atrai, repele ou não deixa registo. Uma casca perfeita requer material genético de primeira qualidade. Favores do tempo e criação. Prosperidade celular. Até, porque não, olhar zeloso. É o caso do encascado sobreiro e da excelente cortiça nacional - sai a casca, fica sem dano a árvore, nove anos pela frente e nova cobertura é gerada. O ciclo repete-se e o Grupo Amorim encarrega-se de a comprar. Riqueza renovável para os proprietários da terra onde assentaram raízes os sobreiros. Frágil pecúlio quando a incúria ou a maldade dos homens pelo fogo aniquila o que a natureza engendra.

 

 

 

Somos bons a fazer rolhas. Melhores do que a aceitar a «lei da rolha» dos partidos ou dos clubes de futebol. Na ronha rivalizamos com a excelência das rolhas que irão preservar vinhos, alguns reais tesouros que a seleccionados palatos irão deliciar. Tudo pacífico, sereno como as terras quentes onde a falada casca é manto de linho ou burel consoante a estação. Veio a química e meteu o bedelho -– rolhas de plástico, logo derivadas do eteno e resultantes do cracking do petróleo. Ao contrário da ecológica e renovável cortiça, os plásticos não reciclados degradam-se dificilmente. “Não cuidam com carinho do vinho,” afirma quem sabe, “não o deixam respirar.” A minha simpatia está com a cortiça e com a habilidade de quem a trabalha, seja destino o bocal de uma garrafa, bikini, ou proteção do nariz de naves espaciais. A Nasa que o diga... A flecha vai para os grupos Montez Chapalimaud e JP Vinhos que trocaram a legítima portuguesa pela futriquice da imitação.

 

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

 

 

 

publicado por Maria Brojo às 10:25
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (7) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds