Segunda-feira, 8 de Setembro de 2014

COBERTA PELA NOITE A CIDADE

  

Karin Jurick

 

Esbofeteá-lo era pouco. Demais para o gelo que sentia. A (des)conversa colada ao ouvido deixara-a assim: fria e ferida. Enrodilhada no sensível, na sétima nota da escala diatónica. Tom inteiro que os cinco semitons, separados pela distância, a fúria ignorava. Silenciara o jazz das noites suaves em que delas geria o fluir e um corpo era ausência.

Não o queria sempre. Que viesse, que fosse, que lhe deixasse tatuado na pele um arrepio louco. Que, após a partida, fosse tempo de anular vestígios, as máculas ansiadas, depois inúteis. Retomaria, então, a ela outra que rejeitava espartilhos.

   

Nos pés nus sentiu a madeira do soalho _ macia, genuína, indulgente. O contrário da fraga arrogante que acabara de ouvir. Um nada fora o rastilho que fizera arder a pólvora sem fumo. Na partilha do dia quase extinto, descrevera, ligeira, o almoço de trabalho. Por via da mesa conhecer o possível duma alma que o rosto e a fala sempre denunciam. Intrigara-a o pintor. Traço gráfico definido pelo óleo. Explosão de sentidos. Telas com arrojo e falo falado. Curvas e renda, talvez ligas, talvez intrincado labor debruando sutiã ou combinação antiga.

 

Resistia à crueza do comércio. Teima que encontrara abrigo no Largo do Picadeiro. Estilhaçava a alvura nas paredes do retângulo modesto com o amor/vício pelo sentir. Luzia cor e coragem nas pegadas suspensas. Antes de lhes ceder o branco vertical, carecia de entender quem o pincel manobrava. Quais as partes de enxofre e salitre, a qualidade do carvão mineral que dela e doutros fariam explodir os espíritos. Por isso o almoço. Outro entre muitos que a desviavam da galeria. O Mário como novidade e companhia.

 

A meio, ele ligara. Pelo relógio, supunha-a absorta na galeria, imersa na luz fria, os troncos despidos e a calçada e o limite de São Carlos como fundo. A porta por moldura. Mas fora ruído que ele ouvira, a voz dela, prática, esquecida da doçura costumada. Vira, sem o ver, brilho cortado em diamante nos olhos, sorriso bailarino nos lábios cheios donde vertia mel que (...)

 

Nota - Artigo publicado integralmente aqui.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 09:45
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds