Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2012

AIROSA E FORMOSINHA

Andrea Kowch, Chris Beck

 

Através de Rui Effe, «estória» reinventada que desconhecia.

 

_ “Era uma vez uma Carochinha muito pretinha e muito luzidia que andava numa dobadoira a arrumar a cozinha. Qual não foi o seu espanto quando achou cinco réis, muito novinhos e amarelinhos.

Carochinha, começou a pular de contente. Depois, acabou de arrumar tudo muito bem arrumadinho, tirou o avental, compôs o vestido preto e foi pôr-se à janela, perguntando a quem passava:

- Quem quer casar com a Carochinha que é airosa e formosinha?

Neste momento passou por ali um porco do Alentejo, muito gordo e bem tratado, que grunhiu duas vezes:

- Quero eu, quero eu.

- Que é que tu comes? – perguntou a Carochinha que era muito lambareira.

- O que Deus dá, - respondeu o porco, que realmente tinha muito boa boca.

- Não me serves, - retorquiu a Carochinha, fazendo um amuo de enfado.

O porco pôs o focinho no chão, muito envergonhado e aborrecido, e foi-se embora.

- Quem quer casar com a Carochinha, que é airosa e formosinha?

- Quero eu, - respondeu o Gato das Botas das Sete Léguas, fazendo uma grande reverência à Carochinha.

- Que é que tu comes?

- Como tudo o que Deus dá, tendo certa preferência pelos carapaus pequeninos.

- Puf! Não me serves. Espero que Deus me há-de dar um marido mais fino do que tu.

O Gato das Botas das Sete Léguas espetou as orelhas, deu à cauda em sinal de despeito, e foi-se embora furioso.

Volta a Carochinha a perguntar:

- Quem quer casar com a Carochinha que é airosa e formosinha?

- Quero eu, - respondeu no seu vozeirão forte, um boi que ia puxar à nora.

- Que é que tu comes? – perguntou a gulosa da Carochinha.

- Como palha, feno, ervas, enfim tudo o que Deus dá para nosso sustento.

- Hum! Não me serves! Quero marido mais delicado do que tu.

O boi que era muito bonacheirão foi ruminando com a palha e as ervas que comera, estas palavras, muito sensatas:

- Forte tola! Deus me livre de tal mulherzinha!

- Quem quer casar com a Carochinha, que é airosa e formosinha? – esganiçou-se a perguntar a presumida da Carocha.

- Quero eu, - respondeu um ladino coelho, que ia a correr para um prado.

- Tu és muito bonito, - disse a Carochinha, a olhar para o pêlo lustroso do coelho. – O que é que comes?

- Ah! minha linda Carocha! Como ervas tenrinhas, troços de couves, cenouras…

A Carochinha fez uma careta de aborrecimento e despediu o coelhinho com estas enfadadas palavras:

- Que porcaria de comida! O meu marido há-de ser uma criatura de gostos mais finos.

O coelhinho que era muito garoto fez uma careta à Carochinha e, pernas para que te quero, aí vai ele até ao prado, onde saboreou uma rica erva que lá existia.

A Carocha, já muito arreliada, tornou a perguntar, esganiçando-se cada vez mais:

- Quem quer casar com a Carochinha, que é airosa e formosinha?

- Quero eu, - disse de além um ratinho de olhitos pretos e vivos, e de orelhas espetadas.

- Que é que tu comes?

- Ora o que há-de ser? Tudo o que é bom e que está nas despensas dos ricos: bom presunto, belo queijo, chouriços, paios, fiambre, toucinho entremeado, carne assada, muito tenrinha…

- Que rico marido eu encontrei, - respondeu radiante a nossa lambareira Carochinha.

Combinado o casamento, fez-se uma festa de truz. Houve um jantar tão cheio de petiscos e iguarias, que toda a bicharada dele falou durante muito tempo.

No Domingo, Carochinha vestiu o seu vestido de cetim preto, pôs um chapeuzinho impertinente com duas aigretes pretas e, toda vaidosa, foi à missa com o marido.

No meio do caminho, Carochinha, reparou que não tinha trazido as luvas. Tolinha como era, ficou muito arreliada com o caso. «O que iriam
pensar dela os bichos da vizinhança?»
Uma senhora tão ilustre sem luvas! O João Ratão – era este o nome do marido da Carochinha – logo, todo
amável, voltou atrás a buscá-las.

Abriu a porta da sua casinha, e o seu paladar foi tentado, pelo rico cheirinho que se espalhava pela casa toda. Um cheirinho a toucinho que era mesmo um regalo. Com a boca cheia de água, o nosso amigo aí vai, já esquecido das luvas, até à panela que fervia em lume brando. João Ratão, destapou a panela e, gulosamente, meteu a mão para tirar um pedacinho do tentador toucinho mas, com tanta infelicidade o fez, que escorregou e caiu dentro da panela.

Carochinha esperou, esperou impacientemente, bateu o seu pézito calçado com botinha de verniz preto e, furiosa, foi a casa pronta a zangar-se com o João Ratão por a ter feito esperar tanto tempo.

Chegou lá e o coração deu-lhe um baque. A panela destapada, fazia com que se espalhasse pelo ar um cheiro a toucinho e a rato cozido.

Ah! o pobre João Ratão fora vítima da sua gulodice! Má hora aquela em que quisera casar com um guloso.

Talvez tivesse sido mais feliz se houvesse casado com um dos primeiros pretendentes: o porco, o gato, o boi… Todos tão simples, e tão frugais que se contentavam com qualquer comida.

Carochinha sentou-se num banquinho da cozinha, lavada em lágrimas. O banco, apesar de ser de pau, lá se comoveu com a sorte da Carochinha, e perguntou-lhe por que estava triste.

- Ora por que há-se ser, meu amigo? É que morreu o meu João Ratão.

- Então eu para compartilhar do teu desgosto, vou-me partir.

E bumba, o banco partiu-se e atirou com a Carochinha de pernas para o ar. Lá ficou a pobrezita deitada de costas a lamentar aquela triste ideia do banco. «Partir-se para quê? Longe de remediar o seu mal, ainda por cima a deixava de costas, numa posição tão incómoda e de que custava tanto
libertar-se.»

Após muitos esforços, conseguiu colocar-se na sua posição habitual e foi esconder-se atrás duma porta, para chorar à vontade a sua dor, sem ninguém a incomodar.

A porta, porém, apercebeu-se das lágrimas da Carochinha, e perguntou-lhe o que tinha.

- Valha-me Deus! Morreu o meu João Ratão.

- Pobre de ti! Quero acompanhar-te na tua mágoa. Vou-me pôr a abrir e a fechar; os meus gonzos chiarão e será esse o meu choro.

Mal dissera aquilo, a porta pôs-se a abrir e a fechar, e a Carochinha, se não desse um pulo, morria esmigalhada.

- Esta só pelo mafarrico! Para que quererão os outros partilhar, aparentemente, uma dor que não é sua?

Carochinha saiu de casa, pensando que ao ar livre estaria melhor. Foi sentar-se à sombra duma nogueira e começou a soluçar baixinho:

- Morreu o meu João Ratão!

A árvore que isto ouviu, pôs-se logo a lamentar a sorte da pobre Carocha e, querendo manifestar-lhe a sua pena, começou a deixar cair sobre ela todas as nozes que tinha. Algumas magoaram bastante a pobrezita que, foi a correr pelos campos fora, sem ânimo para chorar a morte do seu João Ratão, não fossem outras coisas condoer-se da sua desdita e molestá-la mais ainda.

 

Fonte aqui

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 12:53
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (1) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds