Sexta-feira, 8 de Abril de 2011

"RUAS DA AMARGURA"

Denis Peterson, Deborah Poynton

 

É retrato de vidas desgarradas. Imagem objectiva dum lado de Lisboa que não consta dos roteiros turísticos e se assemelha a outras nas variegadas partes do mundo. É filme, curta-metragem, documentário. Dirigido por Rui Simões, necessitou uma década para a feitura. O realizador andarilhou pelos negrumes da cidade. Levantado o dia, esfumam-se na pressa doutros andarilhos que estugam passos nas ruas; estes, integrados no ramerrame socialmente convencionado ou nem por isso, parecem competir com o rodar dos pneus que atafulham vias e vidas.

 

Foram precisos anos e anos para Rui Simões estabelecer laços solidários com os futuros protagonistas até a confiança mútua soltar a fala dos esquecidos nas urbes. Sem voyeurismo ou lamechice, mas com ternura, a indiferença não resiste diante da partilha, das experiências em histórias algumas. Os sem-abrigo deram vida e receberam horas de companhia povoada de conversas/desabafos cruéis, lúcidos. Neles cresceu a auto-estima ao saberem-se protagonistas e que os seus dias seriam filme. O Sr. Moedas e os demais assistiram à estreia na Culturgest. Apresentaram-se no seu melhor, sacolas, edredãos e o resto que é a casa nocturna guardados em bom recato na carrinha que os transportou. Rigoroso, o Sr. Moedas não prescindiu da garrafa no interior da sala. Ele é o homem que canta Brel e Aznavour num francês invejável. Ele é o homem que deixa rasto de amigos na cidade. Eles não são os loucos de Lisboa, embora a rua por casa possa motivar demências.

 

Atrevo-me a considerar “Ruas da Amargura” obra que merece serão em família, jovens e adolescentes incluídos. Pretextará conversa sem falsas pedagogias. E agora que o pior é esperado, que especialistas reflectem a saúde mental dos portugueses no quadro novo imposto, que haja tempo para a hora e três quartos do filme.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 08:59
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (15) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds