Quinta-feira, 30 de Maio de 2013

PERFILHADOS HÁ 25 ANOS

 

Autor que não foi possível identificar e Sally Davies

 

É notícia o número redondo que consubstancia a filiação deste canto/limite atlântico na Europa Unida. Mãe rica aos olhos portugueses da época tornava apetecível a adoção. Os eurocéticos existiam mas submeteram-se aos milhões entrados no Estado. Nove milhões de euros por dia alegraram a vida lusa entre 1986 e 2011. A saúde, a educação, cursos destinados a elevar as habilitações dum povo beneficiaram dos euros injetados pela mãe adotiva. Ao todo, construídas ligações rodoviárias que bem podiam unir Lisboa a Nova Deli. É obra!

 

A atávica falha de Portugal em governantes lúcidos e com visão que mais longe enxergasse do que a «partidarice» e o poder conferido a qualquer custo do interesse público nas eleições traiu o desenvolvimento sustentado de Portugal. Dum modo ou doutro, muitos figurões se aboletaram com o maná caído dos céus europeus. Ao cidadão honesto foi instilado pelos bancos e seus derivados o pensar que o saudável hábito da poupança não trazia felicidade que se visse no bem-estar imediato. “Chapa ganha, chapa gasta”, novo lema. Inúmeras gentes caíram na esparrela, encheram com os juros das dívidas contraídas as bocarras arreganhadas das instituições bancárias. E chegámos ao que chegámos: pobretanas ou miseráveis intervalados por emergentes que, à sorrelfa, mamaram parte substantiva do leite da mãe Europa. Na maioria, sem punição.

 

Um Estado “sem rei nem roque” foi e é Portugal.

 

Nota: para mais saber do relatório “25 Anos de Portugal Europeu”, ligação ao DN de hoje.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

Aconselho a visionar:

 

publicado por Maria Brojo às 09:26
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
Sexta-feira, 9 de Março de 2012

DINHEIRO E 'LOISAS'

 

Com perto de dúzia de anos, o hiperrealismo ainda hoje confunde quem vê obras deste género artístico com fotografia de alta resolução. Mas gosto. Esta obra de Tos Kosterman é exemplo perfeito. A crítica social está presente. O dinheiro, sempre ele “moving the world”. ‘Money, money, money...’

 

Sally Davies

 

Se pudéssemos modificar o poder do dinheiro e a sua injusta distribuição, nem sabemos o que fazíamos!

 

Marinus van Reymerswaele 

 

Ontem como hoje contando o vil (?) metal.

 

A propósito do livro de Velhaco Silva: é um meia-leca à busca de culpas noutros, merecidas ou não.

 

Omar Ortiz

 

Fugindo ao tema do dia de hoje – o dinheiro. Nada contra nem a favor desde que a mulher se sinta bem. Mas ‘eu cá acho’ que bolas implantadas como se foram de futebol fazem perder a naturalidade linda no corpo da mulher. Deve ser uma seca comprar mamas - este é o termo clínico; peito não, por favor - que obrigam a afastar o prato da refeição para ver o conteúdo.  

 

Continuando a questão das mamas. É do meu olhar ou estas são mais bonitas e práticas que as anteriores?

 

Dylan Lisle

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

Aviso – este vídeo contém imagens eventualmente chocantes para bolsos puídos.

 

publicado por Maria Brojo às 12:06
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (4) | favorito
Quinta-feira, 13 de Outubro de 2011

BOTIFARRAS E REIZINHOS

Blake Flynn, Sally Davies, Célia Ribeiro

 

Nas sociedades do bem-estar, qualquer corte na ilusão de tudo ser expectável e devido aos cidadãos num progresso sem parança surge como tragédia. Em Portugal, é atávica a posição medíocre no ranking do desenvolvimento e qualidade de vida. Possível causa da nossa conformação exterior, conquanto o íntimo arrebente de revolta. Nesta assimetria, vencem queixas e lamúrias, perde a capacidade reivindicativa e resta sem préstimo nos espíritos o pauzinho que devia entupir a engrenagem dos abusos.

 

Contraditoriamente, os mais queixosos e politicamente activos na luta por direitos elitistas são quem possui riqueza ou o poder da influência. Como minoria, as regalias de que fruem é escândalo, malgré a maquilhagem desde sempre introduzida nos orçamentos e nas politiquices para ignorante ver. Esquecem que ver é uma coisa, assimilar outra. E a maioria espezinhada, miserável, não assimila mordomias de poucos em desfavor de muitos – muda não fica, mas permanece queda. Reside aqui o cerne da questão. Eis-nos chegados ao ponto de serem consideradas ridículas manifestações populares _ a nada levam, dizem! Alguma razão assiste quando respeitam interesses corporativos que melhor fora serem discutidos com denodo nos gabinetes. Escasseiam movimentos de massas que encham avenidas, ruas e becos tendo como alicerce as necessidades gerais, a revolta perante a comédia dos poderes, a defesa dos esmagados pela botifarra da insensibilidade social.

 

Mas alegremo-nos com felicidades alheias: celebra-se hoje o casamento do Rei do Butão com uma plebeia. País do qual é dito:

_ “E se os indicadores económicos não fossem suficientes para medir o bem-estar de uma sociedade? Há 35 anos, em um isolado reino do Himalaia, um carismático rei decidiu que era mais importante a felicidade interna bruta do que o produto interno bruto. Hoje, o Butão é a democracia mais jovem do mundo e o exótico campo de testes de um dos debates mais interessantes do pensamento económico global.

O povo está em festa, desce das montanhas, sai de casa e inunda as ruas de Punakha. O noivo não esteve com medidas meias: recusou-se a convidar famílias reais estrangeiras. Assim, sim! Para o povo a festa e os reizinhos que almocem nos seus castelinhos.

 

(url)

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 09:21
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (5) | favorito
Sexta-feira, 4 de Março de 2011

BOTAS, BOTECO E SANDÁLIAS

Sorayama Hajime, Sally Davies, autor que não foi possível identificar

 

Pelas nove, antes do horário estipulado para trabalho, o uso de há um ano: entrar no quase boteco, quase restaurante, ajeitar uma cadeira, pedir um café bem cheio e um copo de água. Podia tomar a delícia em casa, mas perderia momentos de conversas facilmente audíveis de gentes comuns em frente, ao lado, no balcão. Futebol, se na véspera houvera jogo com um «grande», o estado da nação reflectido nas vidas, temas avulsos que só aos próprios interessavam, estes segredados, cúmplices.

 

Manhã soalheira e fria. À direita da entrada, no chão, um par de botas pretas, saltos íngremes levemente descascados na base, elegantes no conjunto, obedientes à moda. Estaquei. Quem as ali deixara como lixo sem pensar no recipiente ao lado que acumulava desperdícios, sem que a paróquia, centros outros de recolha solidária fossem hipótese? Intrigada, despedi cogitações – era pressa a dose de adrenalina matinal.

 

Estando o Sr. Pereira sozinho, os narizes mergulhados nos jornais não contavam, perguntei:

_ Bom dia! Sabe das botas, praticamente novas, ali depositadas na entrada?

E ele que sim, que delas soubera pela dona em fúria à conta dos pés maltratados após noite de trabalho, que tomara o pequeno-almoço e partira descalça. Lançou provocação às cozinheiras:

_ Porque não aproveitam as botas novas aqui à porta?

De dentro, respostas:

_ São lindas, mas amigas do serviço nocturno. Pergunte amanhã às colegas da dona se as querem.

_ Não enfio vícios em lado nenhum, quanto mais nos pés!

Ouvi e calei o débito de juízos morais e repulsa. ‘Não sou dessas’, seria réplica mais económica. Ponderei se os homens daquelas mulheres impolutas(?) não seriam clientes de quem elas desprezavam. Afinal, ao deitarem-se com os respectivos, sabiam se aquela ou outras acusadas não estariam presentes na cama pelos restos invisíveis neles deixados?

 

Ainda bebericando a mistura fervente e negra, lembrei cena no Julho passado. Temperatura de ananases. Almoço e passeio num parque cerca de casa. Sandálias com nesga de salto e tiras cruzadas que não resistiram a cabriolice num penhasco. Analisei o estrago: sem arranjo. Caminhar semi-calçada, era desconforto. Larguei-as em bom recato. Arrisquei cumprir a distância descalça. O asfalto, o empedrado escaldava. Arribou interpelação: quem me viu naquela figura rir pelo prazer do diálogo e da aventura que terá pensado? _ Excêntrica, desavergonhada, ‘mulher da vida’ que a tudo se habitua? _ E se fossem alinhar pêlos a macacos?

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

O segundo vídeo é devido a cortesia do Cão do Nilo.

 

publicado por Maria Brojo às 07:36
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (10) | favorito
Segunda-feira, 5 de Abril de 2010

KATYZINHA

Sally Davies


Ela fala de roupa. Das escolhas no vestir. Acrescenta o calçar. Linguagem vernácula de mulher em roupão e cabelo molhado. Do Norte. Cumpre estereótipos que é comum associar às gentes acima de Aveiro. Diz do execrável e das preferências. Reporta o In & Out. Subjectivo. Arrogante e condimentado por “olhem como penso a diferença” no fardar. Futilidade? Sim, não, talvez _ no discurso e na imagem expõe alma, do ser a impossibilidade de destrinçar verdade da mentira. Coragem ao serviço do "quem me confere o protagonismo do arrojo e da diferença"?


Fosse na estranja, e a Katyzinha era guru nos ecrãs ligados por cabos de bairro. Não tarda, derruba o rafeiro filtro nacional do debitado pelas têvês e algumas rádios. Quem passa Baião aos saltos e às «jokas», concursos de mala para encontrar o conteúdo, dispõe-se a tudo. É mulher nortenha e exemplo dos pré-conceitos freaks, concerteza!

 

Nota _ sugeriu o Pirata-Vermelho ensinar português sério no Brasil de modo que o exportado pelo povo de lá não contaminasse o de cá. Porém, digo: infeccionamo-nos muito bem sozinhos. A prova segue junta.


CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:36
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (11) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds