Sábado, 30 de Junho de 2012

ALDRABAS D'AMANTES

Mariana Kalacheva, Sean Milne

 

Das aldrabas do baú que encerram amores e amantes as mais das vezes preferimos mantê-las cerradas. Quando, sem apelo nem agravo, memórias irrompem, apetecem torniquetes para que delas nada escorra – fluidos, carícias, junção de peles e corpos e ilusões e risos doutrora.

 

A magia de momentos, pela distância temporal revelados enganosos, com asas invisíveis sobe em voo do baú fechado não carecendo de chave que o abra. E assim deve ser. Libertar o encerrado em gaiola de frechas curtas. Dar corda ao certo e aos erros em idos. Que voem, à solta. Que pelas conclusões analíticas desviemos o caminho, sendo adequado, ou voltemos a passadas direitas com o horizonte previsto, quiçá destinado.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 13:13
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (1) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds