Terça-feira, 2 de Julho de 2013

VAI UMA REZA PELO MORIBUNDO?

 

LA Hughes watercolor collage “To Die For”                                                    LA Hughes Pop painting “Go Forth…”

 

A pasta das finanças mudou de rosto e de mãos. É o costume: quando é chegada a condição de moribundo, ou se desligam as máquinas de suporte de vida, ou é tentado remédio novo ainda sem créditos firmados e que pode dar o golpe final no desgraçado. Para os crentes é altura de pedir conselhos à Senhora de Fátima como o patrão maior fez há tempo pouco.

 

Vem a propósito a letra da música “O Charlatão” a que o Sérgio Godinho deu voz.

 

“Numa ruela de má fama
faz negócio um charlatão
vende perfumes de lama
anéis de ouro a um tostão
enriquece o charlatão

 

No beco mal afamado
as mulheres não têm marido
um está preso, outro é soldado
um está morto e outro f´rido
e outro em França anda perdido

 

É entrar, senhorias
a ver o que cá se lavra
sete ratos, três enguias
uma cabra abracadabra

 

Na ruela de má fama
o charlatão vive à larga
chegam-lhe toda a semana
em camionetas de carga
rezas doces, paga amarga

 

No beco dos mal-fadados
os catraios passam fome
têm os dentes enterrados
no pão que ninguém mais come
os catraios passam fome

 

É entrar, senhorias
a ver o que cá se lavra
sete ratos, três enguias
uma cabra abracadabra

 

Na travessa dos defuntos
charlatões e charlatonas
discutem dos seus assuntos
repartem-se em quatro zonas
instalados em poltronas

 

P´rá rua saem toupeiras
entra o frio nos buracos
dorme a gente nas soleiras
das casas feitas em cacos
em troca de alguns patacos

 

É entrar, senhorias
a ver o que cá se lavra
sete ratos, três enguias
uma cabra abracadabra

 

Entre a rua e o país
vai o passo de um anão
vai o rei que ninguém quis
vai o tiro dum canhão
e o trono é do charlatão (bis)

 

É entrar, senhorias
a ver o que cá se lavra
sete ratos, três enguias
uma cabra abracadabra”

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 07:09
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
Terça-feira, 24 de Janeiro de 2012

AINDA QUEIMA

No início, foi o conselho governamental para imigrar quem necessita emprego. Depois, momento maldito – no improviso perante os media, soem desastres do homem. Porque os portugueses são criativos e tendem para o anedotário, veio a figura esmoler.

 

 

Ter no Palácio de Belém dirigente grado sem estofo para improviso mediático com sensibilidade explícita para os concidadãos, tira-lhe o estatuto de 'Provedor do Povo' que devia cuidar.Tão pouco interessa o que queria dizer e não disse.

 

 

A brincar, são denunciados problemas sérios de muitos portugueses. Nem o espírito solidário supre o que devia ser direito de todos.

 

 

Pois se o poder reside nos cidadãos, é difícil entender escolhas por eles/nós feitas. Silêncios ainda menos.

 

 

Certo está o Rui Zink: _ " E ao sétimo dia, a invenção de um novo verbo - "E se cavacássemos daqui?"

Respondo: _ "E depois? Deixávamos a Senhora de Fátima sozinha?"

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

Sem vídeos que condigam com o «espalho» do Presidente, duas imagens e uma frase de Ricardo Araújo Pereira nas "Conversas Improváveis: _ "Uma pessoa «morre» e vai para o Céu, um político morre e vai para CEO."

 

publicado por Maria Brojo às 11:05
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (3) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds