Quinta-feira, 24 de Julho de 2014

PORTUGAL É O 43º. SIZA VIEIRA O PRIMEIRO

   

Keith Mallet – “Black is Black, Female”    Siza Vieira – “Oscar Niemeyer”

 

Hoje, tem destaque a situação de Portugal no 43º lugar do ranking na ONU que mede o Desenvolvimento Humano em 187 países do mundo. O nosso, desde 2013, conserva a posição 43 neste ranking das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) - avalia a qualidade de vida com base em indicadores relacionados com saúde, educação e rendimentos.

 

No topo do índice, estão a Noruega, Austrália, Suíça, Holanda e EUA. No final, é flagrante o domínio por países africanos, como a Serra Leoa, o Chade, a República Centro-Africana, o Congo e o Níger. Portugal é o país menos desenvolvido da Comunidade Económica Europeia, todavia incluído nos mais desenvolvidos do mundo. Tenebrosa é a distância entre riqueza e pobreza extrema.

 

O documento prova existirem 1500 milhões de pessoas na miséria. Número que tende a diminuir pelo facto dos países nas funduras da lista evoluírem mais depressa do que os considerados desenvolvidos. Afortunada notícia.

 

Nascemos para manifestar
a glória do Universo que está dentro de nós.
Não está apenas em um de nós: está em todos nós.
E conforme deixamos nossa própria luz brilhar,
inconscientemente, damos às outras pessoas
permissão para fazer o mesmo.
E conforme nos libertamos do nosso medo,
a nossa presença, automaticamente, liberta os outros.
[Nelson Mandela]

 

Álvaro Siza Vieira

 

É notícia a doação do acervo do arquiteto Siza Vieira a duas instituições portuguesas, Fundação Gulbenkian e Fundação de Serralves, e ao Centro Canadiano de Arquitetura. Palavras de Siza Vieira: _ “É meu desejo que o trabalho de tantos anos seja de algum modo útil, como contribuição para o estudo e debate sobre a arquitetura, particularmente em Portugal, numa perspetiva oposta ao isolamento, (como já hoje sucede e é imprescindível).”

 

Pelo que ouvi e li, a opção de um dos nossos arquitetos maiores, tenho-o como o primeiro entre estes, tem como base a qualidade e capacidade das instituições para desenvolver ou alargar os arquivos. A perspetiva é a abertura à consulta, divulgação e participação num debate que não apenas nacional nem centrado no individual. O Centro Canadiano de Arquitetura (CCA) em Montreal tem visibilidade como instituição de experiência e prestígio ímpares. Carateriza-o experiência na preservação e apresentação de arquivos.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 12:26
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (7) | favorito
Sábado, 24 de Agosto de 2013

NO INFERNO

 

“A Matter of Life and Breath” de Danny Hahlbohm

 

Corre a sazonalidade dos incêndios. Das matas, porque os das almas não têm época passível de certezas. A Síria comprova a tese - “O Inferno” de Dante está inscrito a fogo no espírito da humanidade. Mas sendo dos incêndios nacionais o tratado, lembrar o negrume pestilento dos solos ardidos, a tragédia dos perecidos, é imperioso. Em Lisboa, dois a carvão escritos na história: o que no dia 1 de Novembro cerrou mandíbulas em 1755, e no Chiado a 25 de Agosto no ano de 1988.

 

Vinte e cinco anos desde a madrugada naquele preciso dia de Agosto, aprestam-se a ser cumpridos. Em viagem desde manhã muito cedo, saberia do drama pela TSF. Incredulidade foi o sentimento primeiro. Mágoa, o seguinte, pelo desaparecimento do encanto decadente da fração do interior da cidade que já na infância mais amava. Chegada a Lisboa, pela tarde, viria a testemunhar o horror a partir do Camões. Somente quem conheceu o glamour da “Baixa Chiado”, dos Armazéns do Grandella e do Chiado as madeiras gastas, escadarias, manequins d’antanho nas montras e dentro, chegado o Natal, a fantasia exposta aos passantes – visita obrigatória para adultos e crianças – chora as memórias.

 

A reabilitação urbana daquele lugar pertenceu e pertence ao arquiteto Siza Vieira. Ficará concluída no próximo ano. Pelo visto, desapareceu para sempre a alma do espaço. Em contrapartida, democratizou o leque de frequentadores, outrora refúgio de elites. Ainda assim, os edifícios de apartamentos que abrem túneis para deliciosas pracetas, oferecem valores proibitivos aos candidatos a moradores.

 

“Amanhã, será lançado o livro "O Grande Incêndio do Chiado", que reúne fotografias de Alfredo Cunha, Fernando Ricardo, José Carlos Pratas e Rui Ochoa. O livro (edição Tinta da China) é lançado às 16h de domingo na FNAC dos Armazéns do Chiado e as fotografias expostas a partir de segunda-feira, no Museu dos Bombeiros.”

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 10:21
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
Quarta-feira, 30 de Março de 2011

«POBRETES», MAS «ALEGRETES»

Paula Rego, autor que não foi possível identificar

Souto Moura, 'Casa das Histórias'

 

Vivemos no estado sabido. Ordenam os valores solidários, assim fossem respeitados, deixar em paz o ceguinho e não o cobrir de pancada. Mas quando não se enxergam os cegos poderosos deste canto ajardinado com mais rotundas por quilómetro que outro qualquer da Europa, apetecem bofetadas. Ficam-se pelo virtual por ser a violência acto feio que nada resolve, ou, então, porque falar/«palavrar» não custa e está certo quem diz existir na cabeça de cada português treinador de bancada. E criticamos, da triste sorte engendramos anedotas, assobiamos para dentro não nos ouçam vizinhos – resquícios do ‘come e cala’, imperador por meio século.

 

«Pobretes», mas «alegretes», no caos que vem de longe e atingiu cume agora, decidimos alargar mesas e palácios com o fim de receber ilustres. Convidámos o Lula da Silva – gosto do homem, e depois? – a presidente Dilma Rousseff, o príncipe Carlos com a Camila a reboque. Já foram os anéis, mas ficaram os dedos prontos a enfiar outros emprestados por amigalhaços com olho esperto para a cobrança. Também, abonada a verdade, mais vela menos vela, mais peito de qualquer bicho enfeitado com arrebiques, mais ‘tira-gosto’ gelado, mais vinho de casta nossa, não afligem os donos das lojas onde nos penhoramos.

 

Bom mesmo, alegria apenas comparável no português típico/tipo quando a selecção chegar ao Europeu 2012, foi o arquitecto Souto Moura ter recebido o prémio Pritzker. Já Siza Vieira fora meritoriamente ganhador do prémio, equivalente a Nobel da Arquitectura se tal categoria o comité Nobel incluísse. Da valorosa criatividade nacional não existe dúvida, conquanto os jovens arquitectos emigrem para a Índia e outros remotos destinos por neste canto pejado de rotundas para eles não haver mercado de trabalho.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 07:13
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (25) | favorito
Segunda-feira, 29 de Março de 2010

DIAMANTE EM BETÃO?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rem Koolhaas

 

Vinicio Capossela «concertou» na Casa da Música. Desconcertou alguns _ ignoro se muitos pela inexistência de sondagem à boca da saída. Desconhecia-o. Curiosidade espicaçada pelo baptismo de “Tom Waits à italiana”, esmiucei o YouTube. Porque o desejo de mais saber é como as palavras e as cerejas, nunca em demasia, passei do tal Capossela para a cerâmica, desta para a arquitectura e regresso ao Porto. Fio condutor: a Casa da Música. Recursos: diálogo aceso com portuense crítico e Google para a imagem.

 

Nunca entrei no diamante em betão postado na Rotunda da Boavista pelo arquitecto Rem Koolhaas. Chegada ao Porto, inicio-me no Passeio Alegre, deslizo rente ao ondular do Douro quase marítimo, e só depois experimento surpresas. Que as há em cada volta à cidade-amor. Sensual pelos aromas, colinas expostas e esconderijos benignos a carícias aos horizontes cortados por verdes frondosos.

 

Ontem, ficou assente testemunhar da Casa a acústica _ disseram-ma das melhores do mundo _ assim haja apelo na programação. Mirar os azulejos que enobrecem a sala VIP, homenageando a bela arte da cerâmica portuguesa que me rende (a estação de S. Bento é mostra excelente). Distorcer a visão pelo vidro ondulado, parede da mesma sala.

 

A voz crítica portuense não descurou menoridades e perversidades da Casa da Música: concepção como auditório, sem fosso de orquestra que permita espectáculos de ópera quando no Porto é omisso espaço decente para idêntico fim; os milhões envolvidos permitiam mais valências, ou a construção de dois espaços que as satisfizessem.

 

Quero de volta Serralves, a “Árvore” dos meus encantos, deambular entre granitos. Contornar o disparate do mui querido Siza na Avenida dos Aliados, bisbilhotar, em Matosinhos, a “Casa de Chá da Bora Hora” e a “Igreja de Stª Maria” que assinou.

 

Nota: a versão Photoshop da azulejaria concebida por Rem Koolhass não diminui beleza ou mérito. Augusto Cid utilizou processo semelhante nos painéis que ornam as «patas» do viaduto frente ao Jardim Zoológico, em Sete-Rios. Merecem olhares.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 10:24
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (2) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds