Segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

O BUCOLISMO DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O «CÊODOIS»

   

Susan Hoehn

 

Os portugueses amam a natureza e demonstram bucolismo invulgar que Júlio Dinis, Torga e outros não desdenharam. O mesmo revela o Ministério da Educação ao encerrar escolas (?) e, diariamente, obrigar crianças pequenas a serem enfiadas em carinhas que as conduzam a escolas maiores e afastadas, assim dando aos infantes a possibilidade de viajarem por montanhas e vales duas horas por dia – uma à ida, outra à vinda. Quem duvidar da nossa rendição às peregrinações campestres pelos excessivos níveis lusos do «cêodois» (CO2), erra. À conta disto, os (im)polutos europeus ameaçam Portugal com castigo maior que pau de marmeleiro; porém, atentassem eles nos extremos a que levamos o culto pela Mãe Terra, quiçá arrepiassem caminho.

 

Vejamos: espalhámos pelo mundo, através de ignotas estradas marítimas, descobridores, aventureiros, emigrantes, arbustos, flores, árvores de fruto e de grande porte, bosques. Figueiras, Silvas, Pereiras, Oliveiras, Nogueiras, Roseiras, Uvas, Pinheiros, Castanheiros, Matas. Mesmo insuspeitos Ramos largaram sementes em lugares distantes. Germinaram, resistiram e permanecem. Do engenho e trabalho fizeram armas no brasão que lhes permitiu integrarem-se, em geral, com harmonia nos países de acolhimento.

 

O nosso idílio com a natureza é tradicionalmente semelhante ao de marido ciumento com a mulher que ama: tem-na como sua, considera-a bem de serviço e do uso deixa vestígios. Um piquenique, a queima de matagal em campo agrícola, fumaça de um cigarro na beira de perfumada floresta, tudo serve para mostrar quem ama e domina. Quando o enamoramento termina em fogo e lágrimas, o português matuta, escandalizado, nos prejuízos nacionais e no destrambelhado incendiário. O zaping livra-o da desgraça, que a vida são dois dias, e detém-se numa novela ou numa dança com alguém. Para desanuviar.

 

Depois, há aquela idealização da vida ao ar livre. Gozo que português não dispensa é abrir a braguilha e, virado para um tronco ou arbusto, aliviar-se enquanto, deliciado, expira. Não levanta a perna, mas o resto é como o devido – abanica e arruma. Curiosamente, viver o desejo na praia ou no pinhal é prazer raro com ressalvas: parceira de aluguer ou candidata a affair. Se a necessidade for muita, tenta preliminar, mas tudo pica ou se enfia onde não é devido ou teme «espreita» que se babe com os próprios ou da mulher atributos. Além do mais, o zunido das vespas é incompatível com grunhir à tripa-forra ao som do Emanuel. E quando conduz sem descolar dos oitenta na A1 na faixa central para melhor ver o horizonte, amansada a família tagarela com um “calem-se porra!”, é ecológica a preocupação: ele, família e carro libertam menos «cêodois». O mundo agradece.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 10:06
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
Quinta-feira, 29 de Maio de 2014

NUM ÁCIDO DE LIMONADA

  

Emily Zasada – “Late Summer”                                    Susan Hoehn – “Sonoma Patio”

 

Faltava poesia a este espaço. Eis que chega pelas mãos da estimada parceira de escrita “Era Uma Vez”.

 

e a vida corre parada

 

à espera de um veredicto

talvez amanhã seja dia

talvez amanhã seja dito

 

e a vida assim em suspenso

oscilando em corda bamba

fazendo tempo adiando tempo

disfarçando
lendo
um livro de pernas para o ar

numa qualquer esplanada

 

a vida corre parada

com mil planos em mente

numa agenda carregada

 

amanhã pode ser tudo

 

amanhã pode ser nada

 

talvez um pouco de muito

num ácido de limonada

 

“Era Uma Vez”

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

E porque abre hoje a Feira do Livro, homenagem aos escritores por via da pintura de Jonathan Wolstenholme.

 

publicado por Maria Brojo às 08:35
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(
Curta as férias querida...Beijos

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds