Quinta-feira, 26 de Junho de 2014

NÃO URINES DE PÉ

Tetsuya Ishida

 

“Não urines de pé, virado de frente para o sol: desde que se ponha, recorda-o, e até que surja não deves urinar na via ou ao lado dela, ao caminhar, nem se estiveres nu. As noites pertencem aos bem-aventurados. Sentado o faz um homem piedoso, que conhece a prudência, ou encostado a um muro de um pátio recolhido. (...)
Nunca urines na foz dos rios que deslizam para o mar, nem nas fontes deves urinar, mas de todo evitar tal coisa; nem deves defecar nunca; tal não é vantajoso para ti.”
(Hesíodo)

 

O tal de Hesíodo, que até ao lido não conhecia de parte nenhuma – também para educar o povão iletrado como eu serve a blogosfera -, era um cromo daqueles! Que em todos os tempos os houve e nos que vindouros também. Quis saber mais da biografia do grego, mas pouco logrei: considerando-se injustiçado (de facto, ressabiado) com a distribuição da parca herança paterna entre ele e o irmão, encantou-se com musas que o tornaram poeta popular. O António Aleixo lá do sítio, com a subjetividade elevada à enésima potência.

 

Do excerto acima transcrito da sua obra maior, “Os Trabalhos e os Dias”, perpassa fundado respeito pela natureza traduzido numa cidadania polida e ecológica, a deixar longe muitos dos machos-humanos do presente. “Não urinar na via ou ao lado dela”, “na foz dos rios (...), nem nas pontes (...), nem defecar nunca” são louváveis normas de conduta. Contradição perturbadora é a validade de algumas estar circunscrita ao período noturno. De dia, regabofe, à noite, civismo. E qual a razão que subjaz ao princípio de não urinar de frente para o sol? Não havia buraco de ozono, nem os ultravioletas eram conhecidos. Modéstia perante o Deus Sol? Este fazia parte do Olimpo?

 

Por outro lado, parece-me contranatural a recomendação de homem piedoso urinar sentado. Tão horríveis eram consideradas as partes pudendas ou era a modéstia causa? Bem basta o sexo feminino necessitar de assento para levar a cabo a função. Décadas atrás, e não vão mais do que cinco, as mulheres rurais erguiam um pouco as saias amplas mais a alva camisa-de-baixo, e, afastadas as pernas, “aqui vai água!” Giestais, hortas e penedos foram testemunhas silenciosas dos idos do urinar em pé feminino. Que tente mulher de hoje fazer o mesmo – até tirar os atavios, em vez do “vou fazer” concluiria “já fiz!”.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 09:09
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (4) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds