Domingo, 10 de Julho de 2011

AQUI NO ALÉM

 

Ia alta a tarde. Da sacada, vista próxima e longínqua: os telhados do casario alcandorado na colina, o recorte da baía, a fusão de azuis puros que cedros e robustas palmeiras intervalam.

 

 

Descendo o olhar, em ambos os lados são base da pintura pinheiros mansos, árvores e trepadeiras viçosas. As gaivotas ondulam as asas com a elegância da espécie, soltam piados, pousam nas telhas, nos muros. De novo, o ar marítimo as atrai e desaparecem no azul.

 

 

As ruelas curvilíneas que desembocam no mar desdobram surpresas. Bordejam-nas inusitados enfeites, chamativos para o estrangeiro passante. Entrando nas sombras que talham, é esquecido o calor. A pele refresca, o espírito agradece.

 

 

Azuis sempre em qualquer canto da cidade histórica. Escadas e corrimões resplandecem cuidados. Os brancos debruados a cinzento esmaecido sublinham redondos de arquitecturas com séculos, lugares de culto as mais das vezes. Distraído é quem não parar e por ali fornecer alimento à fantasia do que terão sido, quem ontem dirigiu e hoje dirige preces ao Senhor. Quais as graças concedidas, quais as aflições nomeadas na terra de pescadores.

 

 

Será que o badalo do sino na torre modesta anunciou demasiadas tragédias que vitimaram os lavradores do mar? Tê-lo-ão acalmado as tecnologias pesqueiras e a pequenez da frota que por ora lança redes?

 

 

As escadas e seu corrimão, o empedrado gasto. O ocre da moldura, o leão que falsamente vigia o ferro das largas portadas por onde entra quem for da casa ou vier por bem.

 

 

Calçada portuguesa, abóbadas encimando túneis que apetecem aos peregrinos. Transitam da quentura do estio para a acalmia do corredor sombrio. Toldos prolongam o finito tecto abobado. Verdes carnudos suportam, corajosamente, a hora máxima do calor.

 

 

O mural exótico pelo arrojo e vivacidade das cores disfarça alumínios apressados. Raros, Deo gratias. O bom gosto ainda habita o lugar.

 

 

Detalhes. Podem ser julgados quase nada, mas constituem testemunhos de séculos e décadas e presente. Ignorá-los é fácil. E o perdido se registo não provar a andança num qualquer dia ao remexer o baú das memórias?

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:03
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (6) | favorito
Sexta-feira, 14 de Janeiro de 2011

SENTIMENTOS RELES?

G. Boersma, Ross Watson

 

Estudos internacionais provam duas características fundamentais dos portugueses: péssima relação com o tempo e com o sentimento de culpa. O ‘agora’ traduzimos por ‘amanhã’, a culpa é enxotada para quem estiver a jeito. Ambas responsáveis pela reduzida produtividade, pelo desejo e encosto a um Estado-Providência zelador e, de todos, procurador que estenda a bandeja das necessidades satisfeitas, nos substitua no empreendedorismo, alije de cada um a culpa se o caminho entortar.

 

Tomemos como exemplo a falência duma empresa. No Japão, nos Estados Unidos, é tida por consequência dum erro colectivo que engloba a entidade gestora e os trabalhadores. Por todos os intervenientes é feita a análise crítica da situação. Detectadas as falhas dos diferentes sectores. Em Portugal, o culpado é o dono colectivo ou solitário coadjuvado pelas estruturas cimeiras; os assalariados com menor grau de diferenciação dizem-se vítimas, bem como os eventuais credores. Um dos vértices trágicos é, recorrentemente, estes últimos continuarem a fornecer bens ou serviços mesmo sabendo que a empresa, se nacionalizada melhor, caminha para a ruína. Confiam uns e outros no Estado-Providência que, com o suor de todos os portugueses, os indemnizará do risco voluntário. Por outro lado, a nossa gestão empresarial soe não apreciar transparência da contabilidade e das situações correntes que mantenham conscientes os trabalhadores. Prefere a ditadura do silêncio, do mistério/recurso de usos e abusos. As abissais diferenças de salários entre empregadores e empregados constituem parte dos motivos desculpabilizantes que os demasiado mal pagos alegam. Desta, com razão.

 

Alguém mais sabedor dos meandros labirínticos das micro e macro economias me avalie o arrazoado e aponte os logros/tropeços. Adianto: experimento sentimentos progressivamente mais reles contra as excessivas mordomias dos excessivos príncipes sociais.

 

CAFÉ DA MANHÃ

  

publicado por Maria Brojo às 06:53
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (16) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds