Quarta-feira, 27 de Novembro de 2013

«LAMBIDINHO» NA ESCRITA E NA PINTURA

 

  

Tracy – “Homework”                                                             Autor que não foi possível identificar – “Palette”

 

Era uma vez, uma menina descendente única em três gerações. Fosse pela falta de primos cerca dela com os quais partilhasse brincadeiras, outras engendrava para conjugar o verbo aprender. Começou a ler sozinha por falta de assunto, presumo. As ilustrações dos livros de estórias encantavam-na. Dedicou-se ao desenho e a manipular com destreza ingénua o carvão e lápis de cor. A escrita foi a brincadeira seguinte. Rabiscou cadernos e cadernos de linhas que intervalava com traços nos blocos de “papel cavalinho”. O afeto paternal havia de os arquivar. Hoje, conservo-os alinhados e protegidos honrando o amor que os legou.

À menina chegou muito cedo – aos cinco iniciara a “primária” – a obrigação de optar por rumo estudantil. As artes fascinavam-na; estarreceu os pais ao declarar o desejo de frequentar Belas Artes. “Que absurdo! Nem pense. Em Coimbra, tal escola não existe e ir para Lisboa ainda com dezassete anos aprender “desenho nu” está fora de questão.” E a menina foi exposta a testes de orientação profissional. Manteve-se ambiguidade – empate técnico entre letras, ciências e artes. Rebelde desde que se lembrava, aprendera que contrariar ostensivamente o clã familiar era luta inglória. Escolheu ciências, da matemática como jogo não prescindia, e continuou a desenhar nos cadernos de cada disciplina. Arrancava as folhas, e a manobra teria passado despercebida não ficassem os cadernos resumidos a poucas dezenas de páginas. Teve reprimendas. Numeradas as folhas. Insubmissa, mudou de estratégia: aberto por baixo do livro da disciplina estava o romance que na altura lia. Mais reprimendas. Castigos. Um deles: não ver televisão. Consequência: mais lia e desenhava.

Escolheu licenciatura por contexto partilhado com amigas de longa data: a Guida Catalão e a Teresa Almeida e Sousa. Nada que a estimulasse particularmente, salvo preservar quotidiano amigável. A surpresa viria depois: apaixonou-se pela Química e, mais tarde, pela profissão. Até hoje. Todavia, já mulher feita sente a falta de aprendizagens adequadas na escrita, em História, no desenho e na pintura. Tudo continua a fazer, a cada palavra, traço ou pincelada mais consciente da ignorância que não colmatou. 

“Voltar à escola” – ideia que congemina e tenciona concretizar na qualidade de aprendiz curiosa e empenhada. Não que o estudo diário esteja arredado do seu dia-a-dia de trabalho. Mas aprender o que sempre almejou é meta e vontade. Porque mesmo quando a profissão está garantida, o apetite por mais e diferente não é esquecido. Percebeu que com disciplina e entusiasmo é possível conciliar o impossível. Satisfazer quem é e quem deseja ser - preciso e precioso. Por isso arrisca escrever crónicas de cuja técnica pouco ou nada sabe. Por isso irá frequentar aulas de escrita e de pintura que a façam ultrapassar o vício do “lambidinho”. Por isso admira quem não desiste de empurrar o horizonte e volta à escola para infletir um rumo ou por mero prazer.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 09:36
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds