Terça-feira, 5 de Abril de 2011

DO SOLO PISADO POR DOIS NUM

Autores que não foi possível identificar

 

Sam Sheppard. Wim Wenders. Os dois, combinados, ideiam filmes dolentes, planos demorados, sentimentos contidos, sensualidade no falar silencioso do Sam Shepard habituado à escrita boa ou não fosse Prémio Pulitzer. Conheci-o, vergonha minha, apenas no “Paris, Texas”, road movie incomum, também realizado por Wim Wenders e estrelado pela fabulosa Natassja Kinski. Mais tarde, dele leria o editado por cá. Simbiose harmónica entre o escritor, actor, guionista.

 

Vieram à lembrança as referências pela sensualidade na escrita, no celulóide, na voz, nas gentes. Qualidade abrangida por alguns. Se trabalhada soa a fingimento. Se inata é o que deve ser – explosão dos sentidos todos num olhar, num gesto ou trejeito, num morder de lábios ou num jeito sem jeito. Impressão digital que nenhum burocrata legitima, mas fica gravada na sensibilidade de quem vê e reconhece pelo diálogo com profundezas das quais cada um sabe em si.

 

A voz que canta o Café da Manhã, apela à transgressão, clama pele, chão ou cama. Talvez solo pisado dum jardim ou dele banco de madeira onde dois se confundam num.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

Alentejana como não bastasse o bastante.

 

publicado por Maria Brojo às 06:17
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (33) | favorito
Sábado, 30 de Outubro de 2010

"ATÉ AO FIM DO MUNDO"

 Autor que não foi possível identificar e Tristan Henry Wilson 

 

Foi há vinte anos. Wim Wenders realizava a ficção científica “Until the End of the World”. Filme datado ao prever o futuro dos humanos que recheiam este planeta no último ano do milénio cumprido. A realidade na baliza temporal do argumento negou-o. Duas décadas depois, apartando peripécias como a caça da CIA, a perseguição larápia que obriga Sam (William Hurt) à condição de fugitivo para salvaguardar a máquina  inventada pelo pai, a categoria de ficção datada perde algum fundamento. A máquina que transformava sonhos em imagens é, agora, retomada por Moran Cerf. E se parece frívolo o objectivo de construir filme com os filmes vividos enquanto dormimos, as aplicações são ambiciosas – pela leitura dos neurónios, comunicar com doentes comatosos, criar aparelhos comandados pelo cérebro.

 

Neste dia outonal, chuva e vento e folhas bailarinas até fatalidade na água que lhes apodrecerá os tecidos, é apetite esticar o sono. Demorar estado de semi-vigília, adormecer de novo. De fantasias ou sobressaltos construir sonho. Dormir num mar de tranquilidade que dispensa eléctrodos plantados na cabeça. Indesejada a máquina de Wenders e Sam e Cerf que desaferrolhe aldrabas protectoras - existem névoas pessoais cujo encanto não resistira se deslindadas em imagens continuadamente desfilando até ao fim da passagem de cada um pelo mundo.  

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 11:38
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (11) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds