Quarta-feira, 16 de Fevereiro de 2011

ENSINO E VOSSAS SENHORIAS MASCULINAS

Autor que não foi possível identificar e Philip Ayers

 

Erguem-se vozes especialistas em pedagogia clamando vantagens na separação dos géneros nos ciclos médios do ensino básico e no secundário. Num relance, parece ideia velha e bafienta sem qualquer outro fundamento, além de reviver o que já foi tradição até setenta e quatro. Diferença substantiva: nos idos, acautelavam-se pretensos valores morais como a inocência virginal das meninas e a contenção hormonal dos rapazes; no presente, investigações doutoradas esgrimem argumentos científicos. Foi-se o tempo do pecado como regulador social. Hoje, ninguém assusta os infantes  com os perigos físicos da masturbação e o Inferno que os acolheria se persistissem no «vício». Hoje, ninguém se acoita no pavor a Belzebu por quase nada, menos ainda por experimentos sexuais. Hoje, Se receio existe e não inibidor é o do nome enrolado em julgamentos que engordam notícias e o da gaiola prisional onde criminosos rabos-de-palha, entre eles, larápios menores, cumprem penas – os peritos em artes tais circulam, alegremente, no exterior.

 

De regresso ao ensino conjunto de portadores de «pilinhas» e «pipis», estão, há muito provadas diferentes características bio e psicológicas que determinam ritmos de aprendizagens. Na puberdade, se antes dos treze anos os rapazes são mais expeditos, depois dos 14, as raparigas apresentam maior capacidade de concentração e trabalho. Por cada ano passado, cresce a diferença até aos 18. Daí em diante, esbatem-se as desigualdades. O dito justifica acesso maioritário de raparigas aos cursos superiores que exigem médias chorudas. Senhores, convençam-se: daqui a uns anos, raridade será entregarem-se a um urologista com apêndice semelhante ao vosso. Nós, mulheres, estamos habituadas à predominância ancestral de ‘ginecologistas machos’ que a actualidade desmente. E Vossas Senhorias Masculinas, como reagirão à novidade?

 

Não duvido que visão estritamente centrada na rentabilidade encontre vantagens no ensino separado por sexos nos escalões etários referenciados. Melhor rendimento escolar das turmas assim organizadas seria, penso, indiscutível. E o perdido? Justifica a medida? _ Não! Mais há num crescer harmonioso do que conceitos letrados. A aprendizagem da convivência de jovens com necessidades e capacidades distintas motiva, se bem conduzida, solidariedade e outras competências. Cabe aos educadores propiciar abrangência emocional e cognitiva que no futuro pessoal e profissional dê frutos polposos, pelo sumo enriquecedores das sociedades.

 

CAFÉ DA MANHÃ

  

Cortesia do Cão do Nilo.

 

publicado por Maria Brojo às 07:26
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (17) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds